Brasil é o país que mais usa redes sociais na América Latina

Se considerarmos todos os 209,3 milhões de brasileiros, seria como se cada um passasse pelo menos quatro horas apenas em redes sociais, todos os meses

O Brasil é o país que mais está conectado nas redes sociais em toda a América Latina. Cerca de 88% da população brasileira acessa o YouTube, Facebook, Twitter, Instagram, Snapchat, Pinterest e Linkedin. Superamos as taxas da Argentina — não só nesse quesito —, que bate os 83%, e do México, de aproximadamente 80%. Os números são da última pesquisa da Comscore, divulgada nesta sexta-feira. O relatório é referente aos dados do último mês de abril.

Consumo de cada rede social no Brasil, em milhões de pessoas

A faixa etária mais conectada é formada, supreendentemente para alguns, por adultos com mais de 45 anos (27%). Na sequência, aparecem as pessoas de 25 a 34 anos (25%).

Grande parte dos acessos em nosso país tem sido feita por meio de dispositivos móveis. São mais de 68 milhões de brasileiros que usam exclusivamente seus celulares para navegar nas redes sociais.

Número de acessos, em milhões 

Levando em conta o acesso por aplicativo e browser, o caso de maior sucesso é o WhatsApp, que alcança 85% entre os usuários de aplicativos de mensagens. O Facebook Messenger chega a 50% em desse público, nas mesmas condições.

A forte presença dessas plataformas no dia a dia dos brasileiros há muito já chamou a atenção do mercado. Como resultado, marcas tradicionais apostam no engajamento gerado pelas redes sociais para ações, campanhas e lançamentos.

O Brasil é o país com a maior quantidade de conteúdos pagos (38%) da América Latina, à frente do México (24%), Argentina — de novo — (20%) e Chile (20%). O Instagram gera a maior taxa de engajamento com os conteúdos (74%), seguido pelo Facebook (21%) e Twitter (5%).

“As redes sociais se converteram em plataformas de alcance transversal e multiplataforma. Isso impulsiona o crescimento de um mercado publicitário pujante. Portanto, é essencial desenvolver métricas que permitam detectar e interpretar as principais tendências de usuários e consumidores. O branded content, vídeos e celular são três formatos que ganham força em nosso país em tudo e no mundo”, completa Eduardo Carneiro, diretor da Comscore Brasil.

 Fonte: Olhar Digital

Twitter adota política contra intolerância religiosa

O Twitter anunciou algumas atualizações em suas políticas de moderação, passando a banir discursos de ódio voltados a grupos religiosos. As novas medidas entram em vigor a partir de hoje.

No ano passado, a plataforma fez um apelo para que os usuários ajudassem a reescrever suas políticas, propondo medidas “contra a desumanização de grupos identificáveis em geral”, o que gerou mais de 8 mil respostas vindas de pessoas de mais de 30 países.

Com o material desse enorme feedback, o Twitter decidiu começar com a “proibição da desumanização de grupos religiosos, em particular”. A nova política estabelece exemplos específicos de conteúdo direcionados a membros de grupos religiosos que devem serão removidos da plataforma, como xingamentos e demais ofensas feitas à alguém por cota de sua religião.

Fonte: B9

Twitter libera uso de GIFs, imagens e vídeo em retweets

Atendendo a pedidos de muitos usuários, o Twitter lançou, globalmente, um recurso que permite usar GIFs, imagens e vídeos em retweets com comentários. Segundo a companhia, em comunicado, a ferramenta que está disponível para as versões da plataforma nos sistemas iOS, Android, mobile.twitter.com, Twitter Lite e Twitter para Windows, possibilitará adicionar um vídeo, até quatro imagens ou um GIF em cada retweet.

Em nota, o Twitter também informou, que o recurso “ajuda as pessoas a se sentirem como se estivessem publicando um conteúdo original, mesmo que tenha sido criado por outros usuários”. Até o momento, somente texto podia ser inserido em retweets. A nova funcionalidade já está sendo utilizada por alguns usuários populares no Twitter no Brasil, como o canal Multishow e Rosana Hermann, apresentadora do programa Porta Afora.

Twitter: Um quinto de seguidores de políticos pode ser fake

As últimas eleições comprovaram a gravidade das fake news em momento de instabilidade política. A disseminação de informações vagas e difamações infundadas em redes sociais ganhou destaque na esfera pública e chamou a atenção para a importância de combater o fenômeno. Pensando nisso, a agência de reputação Bold Lion (www.boldlion.com.br) fez uma análise do Twitter de cinco importantes figuras públicas, com o objetivo de verificar a presença de perfis falsos entre seus seguidores: Jair Bolsonaro, Fernando Haddad, João Amoêdo, Tiririca e Carla Zambelli.

Em um total de 1.013 seguidores analisados, o perfil do Presidente Jair Bolsonaro (PSL) apresentou 22% de fakes, enquanto o ex-prefeito da capital paulista, Fernando Haddad (PT), teve um total de 18% de usuários-fantasma entre os membros de seu público.

“Nós coletamos aleatoriamente uma parcela do following de cada um e utilizamos uma ferramenta digital para identificar os bots, classificados como fakes”, afirma um dos sócios da Bold Lion, Gustavo De Amorim.

João Amoêdo (NOVO) teve o menor índice de seguidores falsos entre os ex-presidenciáveis, com 17% da amostragem inválida. Os demais nomes considerados foram o do humorista e atual Deputado Federal Tiririca (PR-SP) e da Deputada Federal Carla Zambelli (PSL-SP). O primeiro, apresentou um índice de 10% de seguidores falsos e a segunda, 5% – o que não configura menor gravidade para o problema.

Reação em cadeia para viralizar, diz especialista em mídias digitais

Segundo Michel Bekhor, da agência de comunicação Press Works e especialista em mídias digitais, “os bots programados para seguirem uma determinada figura pública podem, por exemplo, retuitar uma notícia falsa em favor de um indivíduo e gerar uma reação em cadeia, fazendo a informação falsa chegar a um usuário verificado que espalha o fato para milhares de pessoas. A partir daí, o estrago está feito”.

Metodologia

A pesquisa coletou uma amostra aleatória dos followers de cada personalidade e utilizou uma ferramenta digital para identificar perfis com alta chance de serem bots, classificados como fakes. Entre os critérios utilizados para verificar as contas duvidosas, estavam a presença na rede – a maioria dos bots contabilizam zero tuíte – e a utilização de nomes genéricos acompanhados de números – padrão comum entre usuários-fantasma.

“Vale lembrar que os perfis privados foram descartados da análise, uma vez que é impossível verificar suas atividades e, portando, defini-los como legítimos ou fakes”, diz

Fonte: Ecommerce News

Twitter passa a procurar ativamente por conteúdo impróprio

Em uma publicação em seu blog nesta terça-feira, 16, o Twitter anunciou que a partir deste ano começou a analisar com mais proatividade conteúdo impróprio publicado nas redes sociais. Anteriormente, a equipe da plataforma apenas avaliava conteúdo denunciados por outros usuários. Hoje, os próprios times da empresa sinalizam publicações com teor abusivo, de ódio, que encorajam automutilação, ameaças e demais formas de violência. De acordo com o comunicado assinado por Donald Hicks, vice-presidente de serviço, e David Gasca, diretor de produto do Twitter, atualmente 38% das sanções são feitas pela equipe da empresa.

A plataforma também afirmou que está implementando novas medidas para aprimorar a denúncia e identificação de tais conteúdos impróprios. Uma das iniciativas é adicionar avisos na plataforma para tornar clara essas medidas, como quando a empresa mantém publicações que, embora tenha sido denunciadas, é de interesse público.

Em breve, as regras serão atualizadas para fornecer maior clareza, disse o Twitter. A expectativa é que em junho a empresa teste ferramentas para maior controle do usuário, permitindo, por exemplo, que ele oculte as respostas às suas publicações.

Fonte: Meio Mensagem

Presença digital para empresas: entenda por que é tão importante para o seu negócio

Será que uma empresa vai alcançar o público-alvo de forma plena sem apostar no potencial da internet? A resposta é não em quase 100% dos casos. Isso porque em grande parte dos empreendimentos investir na rede mundial de computadores é fundamental para ganhar mais visibilidade.

O cenário atual mostra que a presença digital para empresas é algo imprescindível para construir uma imagem positiva e estar mais influente no cotidiano dos consumidores. Ignorar as possibilidades de ganho proporcionadas pela web é um dos maiores erros que um empresário do ramo de design pode cometer.

Saiba o que é presença digital

Essa ação consiste na maneira como de uma empresa utiliza os recursos digitais para consolidar uma posição no mercado e chamar a atenção do público.

A presença digital para empresas é um elemento vital para a estratégia de branding, porque trabalha com a imagem que a organização pretende transmitir para o mercado e mostra como a companhia busca se relacionar os clientes.

Em outras palavras, a presença digital tem como meta a construção de uma marca sólida, que passe para os consumidores alguns valores essenciais para o sucesso, como agilidade, credibilidade e transparência.

Conheça os motivos para investir no mundo digital

Após compreender o que é presença digital para empresas, vale a pena saber as razões que justificam um escritório de design, por exemplo, estar inserido em diversos canais eletrônicos.

Cotidiano digital dos clientes

Hoje, a maioria das pessoas têm um smartphone ou outro dispositivo móvel para acessar a internet. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 116 milhões de brasileiros estão conectados à rede mundial de computadores.

Isso mostra que a população usa os meios digitais para realizar diversas atividades, como fazer compras, pagar impostos, escolher as opções de lazer para o final de semana, tirar dúvidas sobre serviços, entre outras.

Muitos brasileiros utilizam os smartphones como principal recurso de acesso à internet. Por isso, a estratégia para se aproximar do público-alvo necessita levar em consideração às características dos dispositivos móveis na hora de utilizar um criador de sites ou uma plataforma para loja virtual.

Mais chances de aumentar a visibilidade

Por mais que a famosa propaganda boca a boca tenha o seu valor, estar na internet é uma excelente alternativa para estar mais próxima dos clientes.

Ao ficar na primeira página do Google, um escritório de design tem boas possibilidades de fechar negócios e de expandir os lucros. Afinal, esse mecanismo de busca é adotado por praticamente 100% dos internautas, no Brasil.

Estar bem localizado no Google é uma forma de reforçar a presença digital para empresas. Muitos consumidores, antes de fazer uma compra, fazem pesquisas sobre a reputação da companhia e os preços disponíveis no mercado.

Interação mais ativa com o público-alvo

Segundo um estudo da plataforma de mídia Hootsuite em parceria com a agência We are Social, o Brasil tem 140 milhões de usuários ativos nas redes sociais. Esse número, com certeza, indica que a presença digital para empresas é mais do que necessária para obter um desempenho expressivo nas vendas.

Um canal no YouTube, por exemplo, pode promover uma maior identificação dos consumidores com um escritório de design por meio da criação de um conteúdo que seja educativo e atraente para o público-alvo.

Não ter um perfil no Facebook atualmente é praticamente o mesmo de deixar de investir em um site. O Brasil é um dos países que têm uma maior presença na rede social mais usada no mundo.

Vendas disponíveis 24 horas por dia

Manter uma loja física aberta o dia inteiro não faz sentido, concorda? Por outro lado, contar com um site para expandir as vendas é uma excelente forma de garantir a presença digital para empresas.

Um dos motivos é que os clientes têm mais facilidade e comodidade de fazer compras pela internet. Afinal, podem escolher o horário que desejam comprar, pesquisar preços com tranquilidade e verificar como os produtos e serviços das corporações são avaliados.

Além disso, não precisam sair de casa nem enfrentar filas longas para pagar a conta no caixa. Essas vantagens mostram que uma empresa deve ter um site. Do contrário, perderá ótimas chances de expandir as vendas e de fortalecer a participação no mercado.

Concorrência já está atenta ao mundo digital

Se um empreendedor fizer uma análise de mercado antes de abrir um negócio, perceberá que muitos concorrentes já estão aproveitando a potencialidade da rede mundial de computadores para atrair o público-alvo.

Muitas companhias sabem que a internet oferece grandes oportunidades para conquistar clientes de diversas regiões de um país e até do exterior. Um restaurante de uma cidade turística, por exemplo, pode contar com um site, anúncios no Google e perfis nas redes sociais para divulgar promoções.

Promover o estabelecimento adotando uma estratégia inteligente na web é crucial para manter o negócio com um crescimento sustentável, o que contribui para fortalecer a marca.

Veja como garantir a presença digital para empresas

Muitos empresários sabem que a internet é perfeita para alavancar as vendas. Mas de que maneira explorar as potencialidades do mundo digital? Para responder a essa pergunta, mostraremos alguns recursos que podem ser explorados por um escritório de design.

  • Site (deve conter dados sobre o histórico da empresa, serviços disponíveis, links para as redes sociais e blog corporativo);
  • Blog Corporativo (é um instrumento que ajuda a educar o público-alvo e ajuda a empresa a ser localizada nos mecanismos de busca com mais facilidade);
  • Buscadores (contar com uma posição privilegiada no Google e no Bing, por exemplo, é peça-chave para aumentar a visibilidade);
  • Redes Sociais (Facebook, Twitter, YouTube, WhatsApp e LinkedIn permitem uma interatividade com diferentes segmentos do público-alvo, o que contribui para analisar as tendências do mercado);
  • E-mail marketing (é uma ferramenta que ajuda a lembrar os clientes de ofertas imperdíveis e de mantê-los conectados com a marca).

É inegável que um escritório de design deve estar presente no mundo digital. Mas isso deve ser feito com criatividade e bom senso. Não adianta investir em campanhas, caso o público-alvo não seja atingido de forma impactante. Sem dúvida, contar com um site dinâmico e com um bom logo farão com que o seu negócio seja mais atraente para o público-alvo.

Fonte: Designers Brasileiros

Criador do Linux diz que redes sociais são doenças da atualidade

Todos sabemos que nem todo mundo sabe se comportar direito em redes sociais e as plataformas condicionam ao uso contínuo — duas das maiores críticas ao ambiente digital. Agora, quem falou um pouco mais sobre isso foi o criador do software livre Linux, o finlandês Linus Torvalds, e ele não poupou as maiores empresas do segmento de duras críticas, chamando gigantes como FacebookTwitter e Instagram de “lixo” e “doença”.

“Eu absolutamente detesto as ‘mídias sociais’ modernas, como o Facebook, o Twitter e o Instagram. São uma doença e parecem encorajar o mau comportamento”, disse, em entrevista ao Linux Journal, ao ser perguntado o que “consertaria” na tecnologia atual.

“O modelo de ‘curtir’ e ‘compartilhar’ é apenas lixo. Não há esforço, nem controle de qualidade. Na verdade, é tudo voltado para o reverso do controle de qualidade, com os menores denominadores comuns, clickbaits e coisas projetadas para gerar uma resposta emocional — muitas vezes uma ofensa moral.”

Anonimato complica ainda mais as coisas, diz Torvalds

Torvalds não é conhecido por ser bem-humorado, mas o que ele pensa a respeito é algo que vem se tornando mais comum nos últimos anos. Temos acompanhado uma queda acentuada de pessoas em redes sociais, especialmente por conta de assédio, mau comportamento, pepinos envolvendo privacidade e terrorismo.

Segundo Torvald, uma das causas dos problemas é o anonimato, que já ajuda o pessoal que alimenta um comportamento tóxico a se esconder na web. “Quando você nem mesmo coloca seu nome no seu lixo, ou no lixo que você compartilha, isso não ajuda.” Para ele, os usuários não deveriam ser permitidos a compartilhar ou “curtir” coisas sem provar suas identidades em primeiro lugar.

Nem o Facebook e o Instagram, ou Twitter, comentaram essas declarações até o momento.

Fonte: Tecmundo

Twitter terá página especifica para conversas sobre programas de TV no Brasil

Nesta terça-feira (23), o Twitter anunciou o lançamento oficial de uma página especial que reúne tuites de usuários que comentam programas de TV enquanto são exibidos. O recurso foi testado na Copa do Mundo da Rússia e continuou nas eleições.

“A ideia é tornar mais simples a experiência das pessoas interessadas em acompanhar e comentar sobre o que está acontecendo nos programas de TV”, comunicou a empresa na rede social.

Cada programa contará com sua própria página e será disponibilizada 30 minutos antes e 30 minutos após a transmissão, para a interação dos internautas. As chamadas com os links para as páginas poderão ser visualizadas na aba “Explorar”.

Fonte: Adnews

Publicidade em mídias sociais continua a crescer em ritmo acelerado, aponta pesquisa

Segundo a pesquisa “Paid Social Trends” do 2º trimestre, investimento em anúncios em mídias sociais cresceu 40% em base anual

Os investimentos em publicidade em mídias sociais mantiveram sua trajetória de crescimento acelerado e registraram um crescimento de 40% em base anual (Jul/2017-Jun/2018 em relação ao mesmo período anterior). É o que mostra o estudo “Paid Social Trends” do 2º trimestre, desenvolvido pela iProspect. Essa taxa leva em consideração investimentos no Facebook, Instagram, Pinterest, Snapchat, Twitter e LinkedIn. A pesquisa foi realizada com mais de 210 marcas, cujas ações abrangem investimentos em vários países, incluindo o Brasil.

O anúncios em mídias sociais continuam a ganhar espaço dentro do mix de ações de marketing. Isso tanto pela mudança do comportamento do consumidor, como por melhorias das plataformas que continuam a desenvolver formatos mais amigáveis para os anunciantes. Apenas nos segundo trimestre, já foram ao menos 72 atualizações. Essas alterações impactam a performance das campanhas, retroalimentando o interesse neste tipo de comunicação”, explica Gustavo Macedo, diretor de Marketing e Creative Content da iProspect.

A pesquisa mostra que o LinkedIn foi a rede social que registrou o maior crescimento em investimentos em anúncios pagos, 167% comparado ao trimestre anterior e 245% em base anual. Tal desempenho está associado à sazonalidade das estratégias dos anunciantes na plataforma (o investimento no 2º trimestre costuma ser maior do que nos trimestres anteriores) e ao alto engajamento dos usuários do Linkedin que atraem muitas marcas de B2B ou mesmo de B2C com produtos corporativos e de luxo. Novas funções como o Lead Generation e o Carousel Ads também trouxeram grandes oportunidades para as marcas.

Já o Facebook Inc. (holding que reúne Facebook, Instagram e Audience Network) registrou uma variação positiva de 54% (base anual) e 17% (em relação ao trimestre anterior). Embora o crescimento se verifique em todas as plataformas da holding, a rede Facebook foi a que mais contribuiu para este crescimento que está associado a questões sazonais, expansão orgânica, busca de novos prospects e uso mais intensivo de modelos mais interativos de anúncios (a exemplo do Dynamic Ads for Broad Audiences), entre outros. Chama a atenção também o fato de os investimentos em anúncios em vídeo na holding já representarem 53% do total. Isso é devido à adoção de novidades como o Instagram Stories e In-Stream (mid-roll), bem como a maior adoção de recursos de vídeo e animação para blocos de anúncios.

Os gastos com o Snapchat aumentaram 142% em relação ao ano anterior e 9% em relação ao trimestre. Ambos os avanços são devidos à introdução de novos tipos de anúncios, incluindo filtros não geográficos e Lentes Snap, e para o maior espaço/destaque para a publicidade na plataforma. Houve um aumento de 168% comparado ano a ano em gastos com o Snap Ads, o que indica o amadurecimento deste formato e também a resposta positiva do mercado a criação da recém-lançada unidade de publicidade do Snapchat.

Pinterest registrou um crescimento de 17% em base anual e uma queda de 11% em relação ao trimestre anterior. Esta queda está associada a fatores sazonais e a iProspect espera que os investimentos nesta rede continuem a crescer, assim como vem ocorrendo nos trimestres anteriores. Isso porque a rede vem promovendo aprimoramentos importantes em termos de mensuração e formatos de publicidade que facilitam o desenvolvimento e acompanhamento de campanhas.

Por fim, o investimento no Twitter caiu 66% comparando ao ano anterior. Mas, está em alta em 2018, com 32% de aumento em comparação com o primeiro trimestre do ano. Vídeos no Twitter continuam a representar a maior parte do gasto por objetivo – 36% – no segundo trimestre de 2018, conforme as marcas continuam a ver fortes resultados com o formato Video In-Stream. O estudo aponta que as marcas estão começando a explorar o Twitter não apenas para obter visualização de seus vídeos, como para atingir outros objetivos de comunicação. Melhorias nos produtos de publicidade oferecidos e a possibilidade de checagem de dados de audiência por terceiros contribuem com este movimento.

“Como as redes sociais são um canal em constante evolução, o sucesso das marcas depende, em grande parte, de sua capacidade de acompanhar esses desenvolvimentos e adaptar suas estratégias, tanto em termos de mensagens e formatos, como em relação a diferentes aspectos da jornada do consumidor”, ressalta Gustavo Macedo.

Fonte: digitalks