Na economia digital, confiança de marca se torna prioridade

4ª edição do estudo global Future Focus da iProspect mostra estratégias das empresas em um ambiente de negócios digital, hipersensível e com baixa confiança e atenção

A confiança sempre foi a base dos mercados financeiros, da política e dos relacionamentos. No entanto, esta percepção vem caindo em todo o mundo: apenas um em cada quatro diz que a maioria das pessoas pode ser confiada, apenas 40% acreditam que os meios de comunicação fazem um bom trabalho para distinguir a ficção da realidade e apenas 26% acreditam que as empresas são transparentes no uso de seus dados pessoais. De outro lado, a atenção nunca foi tão escassa, com 62% das pessoas das 23 maiores economias admitindo que estão constantemente olhando para telas – segundo a Apple, usuários do iPhone destravam seus aparelhos 80 vezes ao dia em média e passam mais de 2 horas por dia em redes sociais.

Neste cenário, em 2019, a confiança de marca ganhou um papel central. É o que aponta a 4ª edição do Future Focus, estudo global da iProspect, agência de marketing digital full performance presente em 55 países. Para a análise, a iProspect entrevistou 300 clientes globais, incluindo empresas do FTSE 100 e do Fortune 500, e utilizou dados de pesquisa primárias com amostras superiores a 10 mil pessoas. O relatório também inclui entrevistas exclusivas com líderes globais de empresas como The New York Times, IBM, Microsoft, Hilton, The Economist, Rachel Zoe, Inc. e AccorHotels. O estudo aponta que 88% dos gestores de marketing entrevistados tem a confiança de marca como sua prioridade para 2019 e 76% afirmam também que a confiança é importante para manter seus clientes consumindo sua marca.

“À medida que a tecnologia borra mais a linha entre troca de informações e de bens/serviços, a confiança do consumidor se torna ainda mais primordial. Confiança já não é mais apenas uma questão, mas sim a questão”, afirma Bruno Mosconi, diretor geral da iProspect Brasil. O executivo completa ainda que “para reconquistar a confiança, as marcas precisam adotar princípios que respeitem, respondam e valorizem a escassez de tempo das pessoas”. O Future Focus aponta que a confiança está baseada em três pilares principais: Credibilidade, Relevância e Confiabilidade. O estudo mostra também que cada pilar ganhou contornos novos, frente a um cenário de comunicação hipersensível.

A Credibilidade foi fortemente impactada pelas fake news, pela maior preocupação com dados pessoais e por novas normas de gestão de dados. “Neste novo contexto, os consumidores esperam mais responsabilidade, transparência e prestação de contas antes de dar sua confiança. As marcas precisarão redobrar seus esforços para aparecem como opções confiáveis”, ressalta o diretor geral da iProspect. Três fatores podem auxiliar a marca nesta área. Primeiro, o estabelecimento de um propósito de marca forte e o envolvimento ativo em questões sociais (a maioria da população, especialmente os milennials, considera este engajamento uma obrigação moral). Segundo, a comunicação das marcas deve se basear em estratégias de produção de conteúdo, posicionamento em buscas e presença em mídias sociais. E, por fim, as marcas devem utilizar a tecnologia, com destaque para a inteligência artificial, bots e ativação por voz, para possibilitar a entrega em larga escala e com segurança da promessa de marca.

Já a busca pela Relevância está associada ao uso correto de dados para o desenvolvimento de experiências individualizadas, a integração dos recursos digitais a vida cotidiana das pessoas e o investimento na crescente utilização das assistentes digitais acionados por voz. “Embora os profissionais de marketing possam acessar mais dados do consumidor do que nunca, eles precisarão avaliar cuidadosamente cada um para se concentrar naqueles que podem realmente ajudar a melhorar a experiência do consumidor, online e offline. Além disso, compra, pequenas tarefas e buscas por voz já são uma realidade e este ponto de contato tende a excluir os demais e as marcas não podem ficar de fora”, explica Bruno Mosconi.

A Confiabilidade, por sua vez, se refere à percepção de qualidade na interação do consumidor com as marcas, seja ela oriunda de experiências próprias ou de terceiros. A importância deste fator vem crescendo, sendo que muitos consumidores estão dispostos a pagar mais por uma conveniência maior. A maioria dos gestores de marketing (58%), inclusive, consideram que construir uma experiência de marca mais conveniente irá alavancar mais o crescimento dos negócios do que o fortalecimento de marca. A busca por mais conveniência para o consumidor deve começar pela reanálise deste quesito em todos os canais digitais da marca. Os feeds de informação sobre produtos e serviços merecem especial atenção. Eles devem ser precisos, detalhados e constantemente enriquecidos. Se a marca conseguir manter esse padrão de informação em todos os pontos de contato, mais forte ainda será a mensagem. Por fim, os marketplaces podem alavancar os e-commerces das empresas, uma vez que eles vêm influenciando cada vez mais a decisão de compra.

“Na era conveniência, os profissionais de marketing precisarão equilibrar corretamente seus esforços entre construir suas marcas e projetar soluções altamente convenientes. Eles terão que remover o atrito em qualquer lugar onde os consumidores se envolvam com a marca: website, escritórios, mídias e plataformas de vendas”, concluiu o diretor da iProspect Brasil.

Fonte: Proxxima

Criador do Linux diz que redes sociais são doenças da atualidade

Todos sabemos que nem todo mundo sabe se comportar direito em redes sociais e as plataformas condicionam ao uso contínuo — duas das maiores críticas ao ambiente digital. Agora, quem falou um pouco mais sobre isso foi o criador do software livre Linux, o finlandês Linus Torvalds, e ele não poupou as maiores empresas do segmento de duras críticas, chamando gigantes como FacebookTwitter e Instagram de “lixo” e “doença”.

“Eu absolutamente detesto as ‘mídias sociais’ modernas, como o Facebook, o Twitter e o Instagram. São uma doença e parecem encorajar o mau comportamento”, disse, em entrevista ao Linux Journal, ao ser perguntado o que “consertaria” na tecnologia atual.

“O modelo de ‘curtir’ e ‘compartilhar’ é apenas lixo. Não há esforço, nem controle de qualidade. Na verdade, é tudo voltado para o reverso do controle de qualidade, com os menores denominadores comuns, clickbaits e coisas projetadas para gerar uma resposta emocional — muitas vezes uma ofensa moral.”

Anonimato complica ainda mais as coisas, diz Torvalds

Torvalds não é conhecido por ser bem-humorado, mas o que ele pensa a respeito é algo que vem se tornando mais comum nos últimos anos. Temos acompanhado uma queda acentuada de pessoas em redes sociais, especialmente por conta de assédio, mau comportamento, pepinos envolvendo privacidade e terrorismo.

Segundo Torvald, uma das causas dos problemas é o anonimato, que já ajuda o pessoal que alimenta um comportamento tóxico a se esconder na web. “Quando você nem mesmo coloca seu nome no seu lixo, ou no lixo que você compartilha, isso não ajuda.” Para ele, os usuários não deveriam ser permitidos a compartilhar ou “curtir” coisas sem provar suas identidades em primeiro lugar.

Nem o Facebook e o Instagram, ou Twitter, comentaram essas declarações até o momento.

Fonte: Tecmundo

Facebook enfim dirá claramente nos termos de uso que ganha dinheiro direcionando anúncios a usuários

Enquanto o Facebook não é alvo de forte regulação nos EUA e em outras partes do mundo, a rede social vai fazer algumas alterações em seus termos de uso após pressão da União Europeia. Na prática, a plataforma terá de ser clara sobre seu modelo de negócio para os usuários, informando que é gratuito, pois a companhia ganha dinheiro ao direcionar propagandas para os membros do serviço.

A União Europeia explica melhor o tipo de esclarecimento que eles querem que o Facebook expresse claramente aos usuários: que o Facebook vende para terceiros informações baseadas no uso de dados dos perfis.

Apesar de a rede ter concordado com as propostas da União Europeia, o Facebook tem até junho de 2019 para atualizar os termos de uso.

O escrutínio sobre o Facebook na Europa vem após a polêmica da Cambridge Analytica, em que dados de um teste de personalidade foram usados em um contexto político. A Comissão Europeia quer que a rede seja cada vez mais clara ao informar como ganha dinheiro e de onde vêm as receitas da empresa. Pode parecer um pouco óbvio para quem é do ramo de tecnologia, mas, aparentemente, mesmo na Europa, não existe muito bem a noção de que os dados dos usuários são a mina de ouro da companhia de Mark Zuckerberg.

“Termos de uso mais claros são bem-vindos, mas não resolvem o problema inerente ao modelo de negócio do Facebook, que foi construído na exploração e monetização extensas da privacidade das pessoas, na dominação de mercado na Europa e preocupações sobre o cumprimento da lei de privacidade europeia”, disse Ursula Pachl, vice-diretora geral do BEUC (Bureau Européen des Unions de Consommaterus), órgão de fiscalização de direitos do consumidor da União Europeia, ao TechCrunch.

Além dessa questão sobre modelo de negócio, informa a União Europeia, o Facebook também alterou:

  • Sua política de limitação de responsabilidade e reconhece agora sua responsabilidade em caso de negligência, por exemplo, no caso de dados terem sido usados de indevidamente por terceiros.
  • Seu poder de alterar unilateralmente os termos e condições, limitando-se a casos em que as alterações sejam razoáveis, tendo em conta o interesse do consumidor.
  • As regras relativas à retenção temporária de conteúdos suprimidos dos consumidores. Esse conteúdo só poderá ser retido em casos específicos — por exemplo, para cumprir um pedido de uma autoridade — e por um período máximo de 90 dias em caso de razões técnicas.
  • A linguagem que esclarece o direito de recurso dos usuários quando o conteúdo deles for removido.

Ao TechCrunch, um porta-voz do Facebook informou que as mudanças nos termos de serviço ocorrerão globalmente, e não só no território europeu. “Temos trabalhado muito neste ano para explicar melhor como o Facebook funciona, quais dados coletamos e como nós os utilizamos. Como parte desse esforço contínuo, atualizaremos os termos de serviço para ser mais claros em como o Facebook ganha dinheiro. Várias das atualizações (nos termos) são resultado de nosso trabalho com o a rede de proteção ao consumidor europeia (CPC, na sigla em inglês), mas nós faremos essas mudanças globalmente.”

No ano passado, havia rumores de que a União Europeia estaria preparando uma multa de bilionária por causa de uma falha de segurança que permitia o acesso a credenciais de 50 milhões de contas. A cobrança ainda não chegou, mas nada impede que Bruxelas (Bélgica), sede da União Europeia, escreva um talão de multa e mande para Menlo Park, a sede do Facebook na Califórnia.

Lógico, isso não é sinal de que as coisas estão tranquilas para o Facebook na Europa. Como notou Ursula em sua fala, a rede ainda é investigada pela sua dominação de mercado e por possíveis violações do GDPR.

Fonte: GIZMODO BRASIL

Como o marketing holístico pode revolucionar seu negócio

Esse novo jeito de atrair clientes tem como principal característica a visão do mercado como um todo

Dias atrás, consultando o dicionário, resolvi procurar o significado de algumas palavras. Passei pelo A e vi a definição de “análise”. Passei pelo C e observei com atenção a definição de “cliente”. Ao chegar na letra M, me deparei, é claro, com uma das palavras mais importantes do ambiente corporativo (senão a mais): “marketing”.

A definição era a seguinte: “Conjunto de recursos estratégicos e conhecimento especializado que contribuem para o planejamento, lançamento e aspectos essenciais para a sustentação de um produto no mercado.” Sucinta, não é? Isso porque o marketing, hoje, está muito além do seu conceito.

Em palavras simples, “marketing” é o meio certo para alcançar as pessoas corretas no melhor momento. Trata-se de chamar o cliente para o negócio e fazê-lo se sentir confortável a ponto de construir uma relação de fidelidade com a marca. No entanto, para isso, é preciso apostar em algumas táticas:

  1. Ter afinidade com aqueles preceitos estipulados e comprovados ao longo do tempo, conhecidos como os quatro P’s (Preço, Praça, Produto e Promoção), estratégia utilizada no boom de grandes marcas como Havaianas e Coca-Cola.
  2. Compreender que o enorme volume de dados (Big Data) existente no mundo é fundamental para as boas tomadas de decisão no marketing.
  3. E, por fim, saber que essa é uma área muito promissora, mas repleta de desafios, que podem ser minimizados quando se olha para o marketing de forma holística, ou seja, quando olhamos para o todo.

Os desafios do marketing

Mas, afinal, quais são os desafios do marketing atualmente? O principal deles é que, em um cenário de muitas ofertas, ter um diferencial que consiga se destacar está ficando cada vez mais difícil. Isso porque o número de concorrentes só aumenta e, nesse contexto de disputa, fica difícil prender a atenção de um cliente que tem infinitas opções à sua disposição.

Afinal, as soluções tecnológicas transformaram o jeito de vermos o mundo: uma pesquisa da SiriusDecisions, empresa norte-americana de consultoria de vendas e marketing, apontou que 67% da jornada do consumidor até a compra é feita online. E o marketing vem sendo fortemente influenciado pela invenção da internet, do uso de dados e das tecnologias de análise. O ambiente digital trouxe novas maneiras de lidar com anúncios, estatísticas e preferências. Daí, entra em cena o já citado Big Data, revolucionando o modo como o mundo publicitário e marketeiro funciona.

Com ele, é possível, por exemplo, analisar o seu público-alvo, que pode apresentar mudanças muito velozes de comportamento devido à sua capacidade de se adaptar às novidades que o mercado oferece. Com isso, picos, quedas e curvas de crescimento são cada vez mais comuns nos gráficos de vendas das empresas. Lembre-se: o consumidor muda, novas ofertas aparecem, e é preciso se readequar.

Mas com o uso do Big Data, é possível, principalmente, coletar informações de concorrentes e clientes de toda parte, formando um banco de dados imenso sobre os rastros das pessoas ou das empresas desejadas. Com isso, o Web Analytics tornou-se uma das ferramentas mais utilizadas para formar a base de uma campanha em qualquer canal. É ele que, a partir do dados, faz a medição dos caminhos percorridos pela concorrência e também pelos usuários.

Por exemplo, calcular o Retorno sobre investimento (ROI) de uma campanha se transformou em uma tarefa mais simples de ser executada. E, a partir disso, os objetivos do plano de negócio ficam mais claros, tornando-se possível traçar estratégias certeiras para bater as metas estipuladas.

Porém, nesse contexto, as empresas e os profissionais de marketing acabam com dois caminhos a serem escolhidos: atualizar-se e adaptar-se ao novo ritmo do mercado ou tornar-se obsoleto. E, para não cair no erro de ter medo da falha e desistir, mais do que nunca é possível explorar um universo pouco conhecido: o marketing visto como um verdadeiro agente de mudança na empresa. Estou falando do marketing holístico.

O poder transformador do marketing holístico

Do marketing holístico vem a solução para o desafio da concorrência, citado acima, e, consequentemente, o surgimento de milhares de resultados de sucesso.

No ecossistema super concorrido e muito veloz em que as empresas se encontram, não basta acreditar no próprio produto ou olhar somente para as ações que a sua marca deve promover. É primordial ter conhecimento amplo das estratégias utilizadas por outras empresas, avaliando o seu potencial e acompanhando a movimentação dos concorrentes para, assim, ter uma visão de 360º do mercado, especialmente dentro do seu segmento de negócio.

Ou seja, não basta apenas olhar só para o próprio negócio nem só para o engajamento nas mídias sociais. É importante acompanhar uma série de fatores ligados ao seu ramo de atuação, o seu desempenho no ambiente online e offline,  para compreender o motivo das métricas estarem deste ou de outro jeito, procurando o caminho que o público percorre até o objetivo para determinar o padrão de comportamento a ser adotado pela empresa.

Mas, não adianta apenas levar em conta o uso de dados. É preciso transformá-los em informação, formulando uma conclusão a partir da análise do material coletado. E, nesta história, o marketing holístico é aquele que não somente une diferentes processos, atividades e demandas do marketing, mas que preza pela avaliação precisa do mercado como um todo.

Ele está ligado ao monitoramento do que acontece dentro dos muros da empresa, mas também no seu entorno, com os próprios concorrentes – diretos e indiretos – e também com os consumidores. Ele é, portanto, uma revolução no mundo do marketing e também no mundo dos negócios. Permite identificar rumos e tendências e promove ofertas reais de valor ao cliente. Tudo isso por meio de análises precisas e muito complexas dos mais diversos cenários de mercado.

Se até pouco tempo, era difícil saber como uma estratégia poderia influenciar no crescimento da sua base de leads e aumentar o número de clientes e vendas, hoje, é possível reconhecer rapidamente os caminhos certos para isso. O conhecimento profundo das ações realizadas por marcas muito parecidas com a sua, assim como a análise dos seus desempenhos (número de curtidas, interações e reações, por exemplo), elevam o diferencial competitivo. E isso serve para empresas de qualquer segmento, desde o de telefonia até o bancário.

Escrito por Eduardo Prange, Co-Founder e CEO da Zeeng – Data Driven Platform.

Verbete Draft: o que é Marketing Holístico

Não precisa acender incenso. O Marketing Holístico leva em conta que todas as partes envolvidas com a empresa se relacionem em uma estratégia ampla e, portanto, mais eficiente. Conheça.

MARKETING HOLÍSTICO

O que acham que é:  Marketing voltado a terapias alternativas.

O que realmente é: Marketing Holístico é uma abordagem que visa contemplar partes diversas (como stakeholders, clientes, funcionários, fornecedores) ao criar e implementar estratégias de marketing. No conceito está a ideia de que a melhor solução nasce de uma perspectiva ampla e inter-relacionada. Quatro vertentes, necessariamente, precisam trabalhar juntas no Marketing Holístico: Marketing de Integração, de Relacionamento, Interno e Socialmente Responsável. Segundo Guilherme Pereira, diretor acadêmico dos MBAs da FIAP, o Marketing de Integração deve criar uma experiência unificada para o cliente, da mensagem ao entendimento. “Já o Marketing de Relacionamento visa gerar vínculo e criar envolvimento a longo prazo da marca com o cliente e o Marketing Interno é um conjunto de ações direcionadas ao público interno da organização ou empresa”, afirma. Eventualmente é possível adicionar mais vertentes como endomarketing, webmarketing, branding etc. Para Eduardo Prange, CEO da Zeeng, que analisa big data nas áreas de marketing e comunicação, o Marketing Holístico parte do pressuposto de que todas as partes envolvidas com a organização sofrem interferência e se relacionam. “Todos os processos de desenvolvimento, projeto ou a implementação de programas e atividades de marketing devem ter consciência dessa correlação.”

Quem inventou: Os acadêmicos e autores norte-americanos Philip Kotler e Kevin Lane Keller.

Quando foi inventado: Em 2006.

Para que serve: Para, por meio da sinergia criada entre todas as partes, impactar positivamente o resultado, fazendo com que o produto ou serviço venda mais. “Basicamente, o Marketing Holístico procurar enxergar o entorno de forma mais ampla e complexa, visando construir valor para a marca e para a empresa”, diz Silvio Sato, do curso de Publicidade e Propaganda da FAAP.

Quem usa: Qualquer empresa ou marca que deseje integrar estratégias.

Efeitos colaterais: Ineficiência, caso haja resistência na mudança da cultura da empresa (advinda da integração das áreas).

Quem é contra: Empresas que acreditam que a eficiência vem da segmentação. “São organizações que acreditam que o departamento de marketing é o pensador e o executor das estratégias, e não a empresa como um todo”, afirma Pereira.

Fonte: Projeto Draft

Aliadas, tecnologia e dados de consumo ajudam marcas a otimizar sua performance em vendas

Por Ricardo Rodrigues (*)

Você sabia que, em média, menos de 2% dos visitantes que chegam a um e-commerce compram no ato? Desse dado é possível concluir muita coisa. Primeiro que nenhum negócio consegue sobreviver exclusivamente de compras por impulso. A conta de investimento em atração de público versus vendas nunca vai fechar desse jeito. O que nos leva ao segundo ponto: só porque 98% de usuários deixam um site sem comprar nada, não significa que eles não gostaram dos produtos ou não têm intenção de converter com a marca em algum momento. Essas pessoas simplesmente não estavam prontas para comprar.

E isso pode acontecer por diversos motivos – o consumidor estava sem o cartão de crédito na hora, com pressa para buscar o filho na escola ou se distraiu com um e-mail de trabalho. Isso acontece porque a jornada de compra não é linear. Ao mesmo tempo, as marcas não podem simplesmente desperdiçar todo esse volume de potenciais clientes, que entraram no site e demonstraram interesse nos produtos. Portanto as empresas precisam ajudar as pessoas a tomarem uma decisão de compra e o melhor caminho para fazer isso é através dos dados de consumo, que indicam o perfil e comportamento do público de uma empresa e podem orientar campanhas mais assertivas.

Desvendando o perfil do consumidor através dos dados

Para otimizar a estratégia de marketing digital, o primeiro passo é  identificar quem são os visitantes do site – as necessidades e desejos do consumidor. Entender com profundidade o comportamento desses usuários  enquanto navegam nas páginas do site e quais são os produtos e categorias em que tem mais interesse é essencial para que as marcas criem campanhas mais direcionadas e personalizadas, com maior potencial de conversão, fazendo com que cada consumidor se sinta especial, mais próximo e querido pela empresa.

Todo este processo, desde a primeira identificação do cliente com a marca até a fidelização e recompra, é definido pela jornada de compra.  O objetivo de qualquer negócio online é buscar a evolução do visitante nesse processo, para que se torne um comprador fiel e constante, justamente pela boa experiência vivida no e-commerce.

Uma estratégia baseada em dados

Uma vez identificados os perfis de consumo dos consumidores, é possível aplicar uma comunicação humanizada, adequada ao momento em que aquele usuário está na sua jornada de compra.

Por exemplo: resultados preliminares de uma pesquisa de neurociência e linguística, liderada pela Social Miner, mostram que quando um novo visitante entra num site e está na fase de consideração da sua jornada de compra, usar uma linguagem mais afetiva e empática pode performar até 17% melhor. Ou seja, para cadastrar mais leads, o ideal é que as marcas sejam receptivas e encantem o seu potencial cliente. Na fase de avaliação, o compartilhamento de informações sobre os produtos – utilidades e vantagens – pode garantir resultados até 23% melhores.

Já na fase de conversão, a oferta de benefícios financeiros, como descontos e condições especiais, são mais relevantes em 60% dos casos e, na fase de retenção, o cuidado com a experiência pós-compra, bem como conteúdos que proporcionam uma boa experiência garantem a fidelização.

Estudamos ainda a relação entre a navegação do usuário em um site com a sua intenção de compra. E descobrimos que quanto mais engajado esse consumidor está, visitando mais páginas, maiores são as suas chances de conversão. Isso significa que podemos prever, com baixíssimo grau de erro, a probabilidade de um visitante comprar ou não, baseado em seu comportamento de navegação. Uma boa estratégia de engajamento ajuda as marcas a guiarem a navegação dos seus visitantes dentro do site, multiplicando as oportunidades de venda.

Automação x humanização: é possível ter os dois ao mesmo tempo?

A automação, aliada à personalização, permite que as marcas tratem os seus clientes com exclusividade e melhor: faça isso de forma escalável. Ou seja, a tecnologia faz o trabalho duro de análise de dados, enquanto as equipes de marketing podem focar no que realmente importa: as pessoas e o que elas esperam das marcas.

É, portanto, um recurso essencial tanto para grandes, quanto para pequenas e médias empresas. Num cenário de grandes e-commerces, os recursos ajudam a vencer o desafio de criar campanhas humanizadas, em escala. Já para o pequeno e médio empreendedor, oferece diferencial competitivo – baseada na experiência de compra humanizada – já que nem sempre essas organizações podem brigar por preço. Chamamos essa metodologia, que garante até 3,5 vezes mais conversões para as marcas, de People Marketing.

Por fim, é sempre importante buscar parceiros de confiança para que a sua marca esteja em boas mãos, afinal é a sua reputação que está em jogo. Existem empresas que podem te ajudar nesse sentido: criando verdadeiros laços entre a sua marca e seus clientes. Nós da Social Miner promovemos uma comunicação humanizada e automatizada para e-commerces aumentarem suas vendas. Minha dica é: valorize seu consumidor e fale com ele como se fossem bons amigos. Seja autêntico e, com certeza, você irá se destacar no mercado.

(*) Ricardo Rodrigues é cofundador da Social Miner

Fonte: Proxxima

GARTNER IDENTIFICA CINCO MITOS SOBRE O USO DE INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL NAS EMPRESAS

Os líderes de TI e de negócios geralmente ficam confusos sobre o que a Inteligência Artificial (IA) pode fazer por suas organizações e são frequentemente desafiados por falsas ideias sobre como aplicar os conceitos dessa tecnologia em suas organizações. O Gartner Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, avalia que os gestores de TI e negócios que desenvolvem projetos de inteligência artificial devem separar a realidade dos mitos para elaborar suas estratégias de inovação para o futuro.

“Com a tecnologia de IA ​​entrando nas companhias, é crucial que os líderes de negócios e de TI compreendam completamente como as soluções inteligentes podem criar valor para seus negócios e onde estão suas limitações”, diz Alexander Linden, Vice-Presidente de pesquisa do Gartner. “As tecnologias de Inteligência Artificial só podem gerar valor se fizerem parte da estratégia da organização e forem usadas da maneira correta”.

Para evitar concepções erradas, o Gartner anuncia cinco mitos sobre o uso da Inteligência Artificial:

Mito 1: A Inteligência Artificial funciona da mesma maneira que o cérebro humano

A Inteligência Artificial é uma disciplina de engenharia da computação. Em seu estado atual, consiste em ferramentas de software destinadas a resolver problemas. Embora algumas formas de IA sejam altamente capacitadas e habilidosas, seria impossível pensar que as aplicações inteligentes atuais são semelhantes ou equivalentes à inteligência humana.

“Algumas formas de aprendizado de máquina (ML – de Machine Learning, em inglês), que é uma categoria de inteligência artificial, podem ter sido inspiradas pelo cérebro humano, mas não são equivalentes”, afirma Linden. “A tecnologia de reconhecimento de imagem, por exemplo, é mais precisa do que a maioria dos humanos, mas não é útil quando se trata de resolver um problema de matemática. A regra com a Inteligência Artificial, hoje, é que ela resolve uma tarefa extremamente bem, mas, se as condições da tarefa mudarem um pouco, essa tecnologia falhará”.

Mito 2: Máquinas inteligentes aprendem por conta própria

A intervenção humana é necessária para desenvolver uma máquina ou um sistema baseado em Inteligência Artificial. O envolvimento pode vir de experientes cientistas de dados humanos, que são imprescindíveis para executar tarefas como definir e enquadrar quais são as questões a serem executadas, preparar os dados, determinar conjuntos de informações apropriados para a análise, remover possíveis erros (ver mito 3) e – o mais importante – para atualizar continuamente o software, permitindo a integração de novos conhecimentos e de aprendizagem para o próximo ciclo de inovação presente nas máquinas.

Mito 3: Inteligência Artificial pode ser livre de preconceito

Toda tecnologia de Inteligência Artificial é baseada em dados, regras e outros tipos de informações fornecidas por especialistas humanos. Semelhante aos humanos, as aplicações inteligentes também são intrinsecamente enviesadas por uma forma ou outra de análise.

“Hoje, não há como banir completamente o preconceito, no entanto, temos que tentar reduzi-lo ao mínimo”, diz Linden. “Além de soluções tecnológicas, como diversos conjuntos de dados, também é crucial garantir a diversidade nas equipes que trabalham com a Inteligência Artificial e fazer com que os membros da equipe revisem o trabalho uns dos outros. Esse processo simples pode reduzir significativamente o viés de seleção e confirmação”.

Mito 4: A Inteligência Artificial só substituirá trabalhos repetitivos e que não exigem graus avançados

A Inteligência Artificial permite que as empresas tomem decisões mais precisas por meio de previsões, classificações e agrupamentos da análise de dados. Essas habilidades das soluções baseadas em IA permitiram que as empresas reduzissem as demandas acerca das tarefas mais comuns, mas, por outro lado, também aumentaram a complexidade das tarefas remanescentes. Um exemplo é o uso de Inteligência Artificial na avaliação de imagens na área da saúde. Uma radiografia de tórax baseada em IA pode detectar doenças mais rapidamente que radiologistas. No setor financeiro e de seguros, robôs estão sendo usados ​​para o gerenciamento de rendas ou detecção de fraudes. Essas capacidades não eliminam o envolvimento humano nessas tarefas, mas permitem que os humanos lidem apenas com os casos incomuns ou mais específicos. Com o avanço da Inteligência Artificial ​​no local de trabalho, os líderes de negócios e de TI devem ajustar os perfis de trabalho e o planejamento das habilidades de suas equipes, além de oferecer opções de certificações e reciclagem de conhecimento para os profissionais já presentes na companhia.

Mito 5: Nem todas as empresas precisam de uma estratégia de Inteligência Artificial

Todas as organizações devem considerar o impacto potencial das soluções de Inteligência Artificial ​​em suas estratégias e investigar como essa tecnologia pode ser aplicada às demandas de suas operações. Evitar a exploração da Inteligência Artificial é o mesmo que abandonar a próxima fase da automação, o que, em última análise, poderia colocar as companhias em desvantagem competitiva.

“Mesmo que a estratégia atual de uma empresa não utilize a Inteligência Artificial, é importante que os líderes de negócios dessa companhia avaliem esse tema para tomar uma decisão consciente, baseada em muita pesquisa e avaliação do cenário. E como em relação a qualquer outra estratégia, é sempre recomendável que as companhias revisitem periodicamente seus planos, alterando suas diretrizes e rumos de acordo com as necessidades da organização. As ferramentas de Inteligência Artificial podem ser necessárias mais cedo do que o esperado”, finaliza Linden.

Fonte: Digitalks

Precisando de investimento? Saiba onde e como encontrar

Conseguir um investimento sempre é uma tarefa desafiadora para empreendedores que desejam agregar valor ao seu negócio. Para encurtar a distância entre a startup e o investimento que tanto precisa, elencamos algumas iniciativas que ajudam os empreendedores a encontrar o investidor certo, elaborar um pitch de sucesso, se conectar com os maiores players de empreendedorismo do Brasil e até mesmo ser orientado por mentores e especialistas nos temas mais relevantes para empresa.

Programas de aceleração

O InovAtiva Brasil oferece atividades online como mentorias coletivas e individuais, capacitações, eventos presenciais e a chance de se apresentar para a maior banca de investidores do Brasil, no Demoday InovAtiva que ocorre em São Paulo, gerando ainda mais visibilidade e conexão para a empresa.

Outra aceleradora que chama a atenção é a Spin. Especializada em startup indústria do Brasil, oferece mentorias com metodologias exclusivas do Vale do Silício, estrutura de escritório e salas de reunião em quatro cidades, programas exclusivos de governança corporativa para startups, coaching em grupo e individual, treinamentos, cursos, workshops e assessoria jurídica e contábil. “Nós acreditamos que a execução de um negócio é superior a ideia, por isso buscamos bons projetos e equipes com capacidade de entrega. Esses métodos ajudam as startups a se tornarem mais atrativas para os investidores, além de promover a conexão destas com possíveis clientes, indústria e grandes empresas”, conta Beny Fard, CEO da Spin.

Internacionalização

Com o StartOut Brasil, até 20 startups participam de ciclos de imersão nos mais promissores ecossistemas de empreendedorismo do mundo. A próxima edição ocorre de 24 a 29 de março em Santiago. Nela, os empreendedores irão visitar aceleradoras, incubadoras e empresas locais; participar de seminário de oportunidades, reuniões com prestadores de serviços e encontros de negócio organizados pelo programa; além de realizar uma apresentação para possíveis investidores e parceiros.

Coworkings

Os espaços de coworking têm buscado cada vez mais oferecer atividades que incentivam a conexão entre residentes com o objetivo de promover o crescimento das empresas, com a possibilidade de conquistar investimentos para o seu negócio. “Aqui no Co.W. nós sempre realizamos eventos com conteúdos direcionados aos mais diversos segmentos para criar conexões entre os empreendedores e investidores. Acreditamos que essa é a melhor maneira de fomentar o ecossistema como um todo”, afirma Renato Auriemo, CEO do Co.W., coworking que tem como objetivo conectar empresas, novas ideias e culturas diferentes em um clima voltado ao networking, inovação e a construção de um futuro cada vez mais próspero e empreendedor.

Eventos de empreendedorismo

A Summit Hub, empresa que chegou ao mercado com a missão de gerar conexões entre grandes players e novos empreendedores por meio de conteúdos e principalmente eventos, como é o caso da Gramado Summit, um dos maiores eventos para startups no Brasil. O grande objetivo do evento é alavancar o ecossistema brasileiro com a concretização de negócios e conteúdo de qualidade. Para isso, proporciona aos novos empreendedores a geração de um networking de qualidade, leads concretos e a possibilidade de ampliar seus projetos através da negociação com novos clientes e investidores.

Dicas de quem já recebeu investimento

Eduardo Prange, CEO da Zeeng, plataforma de big data analytics voltada para comunicação e marketing, participou do programa InovAtiva Brasil e compartilhou o que aprendeu: “Esteja atento e se questione sobre a real necessidade de buscar um investimento. Olhe e entenda até que ponto o capital é uma fraqueza da organização ou uma oportunidade. Se for fraqueza, linhas de crédito minimizam o impacto disso. Mas se for oportunidade, é porque você tem um negócio na mão que funciona, que pode ser tracionado e acelerado, e que só falta o dinheiro para isso acontecer”, explica Prange.

O CEO do Qranio, Samir Iásbeck, compartilha da mesma ideia. “Acredito que as startups precisam criar uma fundação sólida, para que os seu negócio seja ‘sustentável’. Os investimentos são vantajosos sim, mas entendo que a empresa deve ter um plano de negócio já consolidado, porque o crescimento acelerado pode ser um risco se ela não tiver faturamento e só estiver sobrevivendo de especulação e fundo de investimento”, afirma Iásbeck.

A BeeTech, fintech especializada em serviços digitais cross border como a Remessa Online e a BeeCâmbio, se aproxima cada vez mais do ecossistema internacional e chama atenção do mercado. Para Tatiana Delgado, Head of Business and Corporate Development, oferecer excelência aos clientes é a melhor forma de ter notoriedade. “Trabalhamos em prol do melhor serviço e, com parcerias que nos ajudam neste processo, chamamos a atenção de investidores. É inevitável que fiquemos mais conhecidos e em evidência”, explica. Em 2017 a empresa fez parte de um programa de aceleração da Visa e em 2018 recebeu um round Series A, além de firmar parceria com a Ripple para envio de remessas internacionais via blockchain.

A Agenda Edu, uma startup de educação que integra alunos, pais e escolas por meio de um app e de uma plataforma online. “Todo empreendedor, quando está captando investimento, precisa se questionar se está no momento certo para buscar investimento e se tem a maturidade necessária. Depois disso, deve encontrar um investidor que tenha uma tese de investimento aderida ao que ele está buscando. Por fim, após olhar esses pontos, tem que entender todos os riscos de uma operação como essa”, afirma Anderson Morais, CEO da empresa.

Fonte: Startupi

Facebook diz que instabilidade desta quarta-feira não tem relação com ciberataque

Uma falha de origem ainda desconhecida impediu, nesta quarta-feira (13), o acesso ao Facebook e ao Instagram em várias partes do mundo. Pelo Twitter, em um post publicado à tarde, a empresa informou estar trabalhando para resolver o problema o quanto antes, e indicou que a falha não estava relacionada com um ciberataque do tipo “DDoS”, como são conhecidos os Ataques Distribuídos de Negação de Serviço, que sobrecarregam os servidores com uma alta demanda de conexões.

Os usuários reclamavam no Twitter de não conseguir acessar ou de ter acesso limitado ao Facebook e ao Instagram. Segundo o site especializado downdetector.com, os problemas eram mais perceptíveis na América do Norte e na Europa, mas usuários de outras regiões também deram conta da falha, incluindo o Brasil.

A rede social, com 2,3 bilhões de usuários ativos, registrou uma falha notável em novembro, atribuída a um “problema do servidor”, e uma em setembro, atribuída a “problemas de rede”.

Zeeng realiza levantamento que mapeia presença digital das escolas de samba do Rio de Janeiro

Salvador, 07/03/2019 – Os desfiles das escolas de samba de 2019 são sempre a grande atração do carnaval. E, para defenderem seus enredos e compartilharem detalhes da participação em um dos maiores eventos do Brasil, as escolas utilizam cada vez mais a internet e redes digitais.

Afim de acompanhar o engajamento das escolas de samba do Rio de Janeiro, um dos principais recantos do samba no Brasil, a Zeeng, primeira plataforma de big data analytics voltada para o setor de marketing e comunicação, realizou um estudo onde analisou as redes sociais e a presença digital das escolas cariocas no Carnaval de 2019.

O período analisado foi de 01 de janeiro ao dia 26 de fevereiro no Facebook, Instagram, Twitter e Youtube. O resultado concluiu que as escolas com maior presença digital foram: Acadêmicos do Salgueiro, Portela e Estação Primeira de Mangueira.

A Acadêmicos do Salgueiro fechou este período com 315.782 fãs no Facebook; 24.381 seguidores no Twitter; 202.176 no Instagram e 223 inscritos no Youtube. A Portela acumulou 340.017 fãs no Facebook; 9.501 seguidores no Twitter; 126.883 no Instagram e 1.534 inscritos no Youtube. Enquanto a Estação Primeira de Mangueira alcançou 255.154 fãs no Facebook; 28.570 seguidores no Twitter; 123.222 seguidores no Instagram e 6.795 inscritos no Youtube.

Já a média de engajamento no Facebook durante o período apontado foi de 0,15% da Acadêmicos do Salgueiro; 0,23% da Portela e 0,23% da Estação Primeira de Mangueira. No Instagram, a média foi de 1,13% da Acadêmicos do Salgueiro; 1,39% da Portela e 1,95% da Estação Primeira de Mangueira.

Se tratando de notícias veiculadas, as escolas mais presentes foram Estação Primeira de Mangueira, com 706 matérias; seguida pela Portela com 521; e Beija–Flor com 422. A Acadêmicos do Salgueiro ocupa o quarto lugar com 374 matérias.

“Notamos que a medida que o Carnaval se aproxima, as escolas aumentam suas interações com seus fãs e seguidores nas redes sociais. Se levarmos em consideração que cada vez mais as pessoas buscam informações nos meios digitais, a tendência é que as interações aumentem e a presença online do mundo do samba invada as redes, ano a ano”, finaliza Eduardo Prange, CEO da Zeeng.

Fonte: TI Bahia