Forbes usa inteligência artificial para mostrar a “cara” da corrupção no Brasil

Dados mencionados por profissionais que trabalham na Operação Lava Jato e publicados na imprensa informam que os recursos perdidos em esquemas de corrupção no País somam em torno de R$ 200 bilhões (US$ 61 bilhões) por ano. Se todo esse dinheiro fosse para as mãos de uma única pessoa, ela seria dona da quinta maior fortuna do mundo, de acordo com a Lista dos Bilionários Forbes de 2017. O personagem criado pela corrupção, portanto, estaria à frente de nomes como Mark Zuckerberg e Carlos Slim.

Quem poderia ser então esse “bilionário” brasileiro? Quais suas características físicas? O que ele pensa, quais seus hábitos de consumo? Quais são os segmentos da economia nos quais atua? Qual a sua opinião sobre operações que investigam corruptos no país? Com o objetivo de chamar a atenção de todos os brasileiros para o problema e ajudar a combater a corrupção, a revista Forbes Brasil, a agência Ogilvy e a empresa de tecnologia Nexo criaram, por meio de uma ferramenta de inteligência artificial, o que seria a “cara” da corrupção brasileira. Além do rosto, com todos os traços físicos, o projeto de “machine learning” conseguiu ir além e apontar características de personalidade desse homem, chamado de Sr. Ric Brasil – anagrama de Rica Corrupção do Brasil.

Confira o vídeo da ação:

O trabalho da campanha chamada “Ric Brasil” ainda está em andamento, com os últimos ajustes da ferramenta, e a imprensa será capaz de entrevistá-lo até o final deste mês e saber todos os detalhes sobre o homem mais “poderoso” do país. O projeto para se chegar ao Sr. Rico Brasil começou há mais de oito meses com uma ampla pesquisa baseada principalmente em entrevistas e depoimentos de alguns dos principais condenados nas operações Mensalão e Lava Jato.

“A Forbes quer se posicionar contra a corrupção, então além de chamar a atenção dos brasileiros para o tamanho do problema em nosso país, pensamos nessa campanha também como uma forma de valorizar o empresário sério”, diz Antonio Camarotti, CEO da revista Forbes Brasil.  Desde 2017, na edição dos Bilionários Brasileiros os nomes que tiveram suas fortunas listadas e que se encontravam sob algum tipo de investigação de crimes ligados a corrupção, formação de quadrilha, evasão de divisas e outros crimes de lesa-pátria tiveram uma anotação indicando sob qual investigação estavam sujeitos.

A próxima revista Forbes Brasil com a Lista dos Bilionários conta com uma ação especial, também criada pela Ogilvy, para divulgar a campanha. A publicação chega às bancas a partir de 16 de abril.

“A principal ideia da campanha Ric Brasil é destacar o tamanho da corrupção no País. A lista da Forbes é a principal ferramenta para entendermos a riqueza de cada bilionário. Portanto mostrar que a corrupção no Brasil pode gerar uma fortuna desse tamanho é o melhor jeito de a revista usar informação para combater o problema”, comenta Claudio Lima, VP nacional de criação da Ogilvy Brasil.

Fonte: Adnews

O efeito dos dados na dinâmica dos CMOs

Agências, clientes, analistas e consultorias concordam que a área será cada vez mais analítica e focada em melhorar a experiência dos consumidores

De um lado, um consumidor cada vez mais conectado, exigente e vigilante quanto ao posicionamento das marcas. De outro, áreas que vivem transformações profundas recentes diante da necessidade de aplicar dinâmicas mais ágeis e passar a compreender a quantidade cada vez maior de dados disponíveis. Diante deste contexto, um tema em especial não sai da pauta dos executivos de marketing: a análise eficiente dos dados.

Levantamento da Harvard Business Review mostra que automação, big data e a inteligência artificial já foram capazes de afetar 50% da economia mundial. Na semana passada, Jeffrey Sachs, diretor da Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável da ONU, afirmou, em entrevista à Folha, que o mundo depende dos engenheiros e dos dados para sua preservação.

Em entrevista recente ao Meio & Mensagem, Michelle Peluso, chief marketing officer (CMO) da IBM, disse que o marketing evoluiu de uma área pensativa e funcional focada em criatividade para um driver dinâmico, tempo real, analítico e focado em experiência do cliente e dos desempenhos da empresa. “São muitas as grandes mudanças ocorridas no marketing, moldadas, sobretudo pela preocupação em nos conectarmos com os clientes, da necessidade de gerar resultados e liderar as equipes neste contexto de mudança. O digital, sem dúvida, mudou as transações”, diz Michelle.

Pesquisa recente, da própria IBM, feita em parceria com a consultoria Oxford Economics e baseada em entrevista com 525 CMOs, incluindo países da América Latina, mostra que 64% dos executivos entrevistados acreditam que suas indústrias estarão preparadas para gerenciar grande quantidade de dados e sistemas de inteligência artificial nos próximos três anos. Apesar do otimismo, no entanto, somente um grupo de 24% dos participantes da pesquisa afirma ter uma estratégia estabelecida atualmente para tal.

Fabrício Cardoso, sócio e líder de práticas digitais da EY, enxerga uma transformação no dia a dia do CMO que já é irreversível. “Na forma como ele tem de tratar a comunicação e a análise do ambiente. Esse ambiente se alterou. Antes, ele só tinha mídia off-line, agora, o ambiente é mais complexo”, afirma. Para Abel Reis, CEO da Dentsu Aegis Network, a mudança na forma de captar e gerenciar dados também tem impacto direto na dinâmica das agências e no relacionamento que elas possuem com seus clientes. “Vai ser indispensável, em muito pouco tempo, que as agências incorporem ou passem a sentar com o cliente à mesa e discutam um desafio de negócios e suas consequências do ponto de vista de comunicação com rigor analítico e capacidade de formulação de estratégias”, afirma Reis.
Apesar dos desafios de preparo em relação ao gerenciamento dos dados, Fernanda Rocha, diretora de marketing e relacionamento da Fortes Tecnologia, explica que os maiores ganhos deste movimento são a aplicação eficiente deles são em termos de experiência do cliente, usabilidade das soluções, melhor análise de ROI de Marketing. “Essa realidade está longe da maior parte das empresas brasileiras, que são em sua maioria de pequeno e médio porte. Entendo que para esse público, a computação cognitiva é uma promessa distante ainda”, reforça Fernanda.

Fonte: Meio & Mensagem