Facebook informará quem coleta dados para depois direcionar publicidade

A partir de 27 de fevereiro, o Facebook permitirá que usuários saibam quem coletou informações pessoais como email e número de celular com o objetivo de direcionar publicidade. Hoje, usuários têm acesso apenas à empresa que direcionou o anúncio, mas não ao agente que as coletou – o responsável pode ser um desenvolvedor ou uma agência de marketing.

A informação foi divulgada nesta quinta-feira (7) pelo site de tecnologia TechCrunch, que havia antecipado a mudança.

Diante de episódios relacionados à falta de transparência no último ano, o botão “Por que estou vendo isso?” ganhará uma nova camada de informações.

Se uma pessoa recebe uma peça publicitária no feed de notícias, pode entender que o direcionamento ocorreu devido à sua faixa etária e à localização geográfica, e foi feita por uma marca específica.

Com a mudança, saberá quem de fato coletou os dados e se teve o email e o número de telefone utilizados para a segmentação, visto que esse processo só pode ser feito mediante consentimento. A ferramenta existe desde junho, mas não havia um processo de verificação.

“A explicação ‘Por que estou vendo isso?’ exibirá o nome da empresa que carregou as informações do usuário no Facebook e destacará qualquer compartilhamento que possa ter ocorrido. Isso pode incluir o envolvimento de agências, desenvolvedores ou outros parceiros”, diz a empresa em uma publicação na página Facebook Advertisers Hub, dedicada a anunciantes.

A ferramenta integra a estratégia de proteção de dados do Facebook, que tenta modificar alguns de seus processos após os casos de violação de privacidade de 2018. Com esse tipo de dispositivo, usuários podem rastrear de onde recebem propaganda.

O Facebook ainda não confirmou se a medida valerá para o Brasil também.

Fonte: GauchaZH

Alemanha estabelece limite para coleta de dados do Facebook

O Escritório Federal de Concorrência (FCO) da Alemanha anunciou nesta quinta-feira (7) novos limites à maneira como o Facebook coleta dados de suas subsidiárias Whatsapp e Instagram, assim como de sites que incorporam funções do Facebook como a opção “curtir”.

“No futuro, o Facebook não estará autorizado a forçar os usuários a aceitar a coleta praticamente ilimitada de seus dados por meio de outros aplicativos”, resumiu o diretor da FCO, Andreas Mundt, antes de insistir na necessidade de “consentimento voluntário” para qualquer tipo de coleta de dados, de acordo com a France Presse.

O Facebook afirmou que vai recorrer da decisão, resultado de um processo de três anos, em que a empresa foi investigada por uma série de lapsos de privacidade, incluindo o vazamento de dados de milhões de usuários, assim como o uso extenso de publicidade por estrangeiros buscando influenciar o resultado de eleições nos Estados Unidos.

De acordo com a Reuters, o FCO declarou objeção, em particular, à forma como o Facebook obtém dados de pessoas a partir de outros aplicativos – incluindo WhatsApp e Instagram, que pertencem ao próprio Facebook – e o rastreamento de pessoas que sequer são membros do serviço. Esse rastreamento, de acordo com a Reuters, é feito por meio de páginas web nas quais são incluídos os botões de “curtir” e “compartilhar” do Facebook, e mesmo por páginas nas quais a presença da rede social não é óbvia.

“Nós discordamos das conclusões e pretendemos apelar para que as pessoas na Alemanha continuem usufruindo dos nossos serviços”, disse o Facebook em nota. A decisão ainda não pode ser aplicada e a rede social tem um mês para recorrer.

Fonte: G1

Big techs têm ano de altos e baixos

O Facebook de Mark Zuckerberg registrou perda de 25% em 2018
CHIP SOMODEVILLA/AFP/JC

O ano para as ações das principais empresas de tecnologia pode ser dividido em valorização até meados de setembro e declínio de outubro em diante. O movimento levou companhias como o Facebook a registrar perda de 25% em 2018 – primeira queda desde a abertura de capital, em 2012.

Apesar do recuo nas bolsas norte-americanas, de multas e depoimentos ao Congresso dos Estados Unidos, 2018 foi um ano de receitas recordes para as integrantes do Faang, acrônimo de Facebook, Amazon, Apple, Netflix e Google (controlada pela Alphabet), ou Famg (que exclui Netflix e inclui a Microsoft).

Com destaque, Apple e Amazon conquistaram uma marca inédita. Foram as pioneiras em atingir o valor de mercado de US$ 1 trilhão (R$ 3,8 trilhões), em agosto e setembro, respectivamente. A empresa cofundada por Steve Jobs aproveitou a liderança em smartphones caros para surfar no otimismo do mercado norte-americano.

Já a Amazon dá sinais, ano após ano, de que revolucionou o varejo de forma irrevogável e de que pode se expandir mais para mercados promissores, como Índia e Brasil. Para Eduardo Glitz, sócio da StartSe, a marca da Apple foi mais uma consequência da bolsa americana do que de perspectiva de inovação, ao contrário da Amazon.

“A Apple não lançou um produto que mudou a história da empresa. Ela reposicionou o preço do iPhone, mas não entrou em um mercado completamente novo em que passou a ser relevante. A Amazon também foi positivamente impactada pela bolsa, mas ainda tem a figura de Jeff Bezos, homem mais rico do mundo, querendo inovar e pode tomar diversos mercados que não tomou.”

Entre suas novidades anuais, a Apple lançou um Apple Watch com eletrocardiograma, que capta a frequência cardíaca dos usuários pelo relógio, e fez adaptações em seus aparelhos, como aumentar a tela e a resistência à água.

Alguns pontos, entretanto, preocuparam investidores no último trimestre. A previsão de crescimento máximo de 5% de receita anual para a temporada de festas, o anúncio de cortes a fornecedores do iPhone, a decisão de não divulgar números sobre a venda de aparelhos (como smartphones e iPads) e as consequências da guerra comercial entre EUA e China estão entre os principais receios que permanecerão em 2019.

“Existe uma grande cautela sobre os impactos da tensão comercial no setor de tecnologia, até porque boa parte dos consumidores da Apple está na China. Se houver mais barreiras para chegar ao país asiático, as perspectivas das empresas que dependem desses consumidores também serão afetadas”, diz Arthur Siqueira, sócio da GEO Capital.

Além disso, a empresa chegou a um ponto de maturidade em que a perspectiva de aumentar a base instalada é baixa. Analistas dizem que, para continuar crescendo, a companhia californiana precisa criar uma camada de serviços e fazer com que as pessoas migrem de produtos diferentes na mesma plataforma, gastando recursos na Apple Pay, Apple Music e App Store.

“Mesmo que o sistema iOS tenha uma frente menor de mercado em relação ao Android, ela tem uma captura de valor muito acima da dos usuários Android. A empresa tinha cerca de US$ 200 bilhões (R$ 774 bilhões) em caixa no início do ano, suficientes para comprar a Disney. Para os investidores, o que a Apple vai fazer com o dinheiro é uma pergunta que ainda não está respondida”, diz Maximiliano Carlomagno, fundador da Innosciense, consultoria em gestão da inovação.

A Amazon, por sua vez, transcendeu o conceito de comércio eletrônico pelo qual foi reconhecida nas últimas duas décadas. Adquiriu a cadeia de supermercados Whole Foods Market, com cerca de 470 lojas, para reduzir a logística para a entrega de alimentos, e abriu lojas da Amazon Go, em que o processo é automatizado e dispensa atendentes.

Fonte: Jornal do Comercio

Amazon começa a brincar de busca, batendo de frente com Google

Não há mais muros ou limites entre negócios no mundo capitalista contemporâneo, notadamente no âmbito das plataformas tecnológicas. Agora a Amazon começa a dar passos determinados para iniciar o que poderá (ou não) vir a ser uma invação no business do Google. Acompanhar vale a pena.

Mas como isso está acontecendo?

Vamos lá…

Você já deve estar ligado que Amazon é hoje a terceira força no mundo do online advertising, ficando atrás apenas de Google e Facebook, certo?

Os números da antes livraria online nesse âmbito são já bastante impressionantes e a expectativa do ano que vem é que a empresa atinja a marca dos US$ 10 bilhões em ad revenue.

Os dois big players deverão responder por 54% do total de investimentos em publicidade online em 2019, o que é um pedaço gigante ainda, óbvio, mas esse percentual chegou a ser de 73% há não muito distantes dois anos. Parte dessa mudança tem diretamente a ver com a chegada sem pedir licença da Amazon.

Bom, é aí que começa a história da busca. Porque direcionados pela poderosa máquina de publicidade digital da companhia, os internautas passaram a buscar por produtos crescentemente a partir da plataforma Amazon. O que é natural e faz todo sentido para quem já está no ambiente do maior marketplace do mundo, certo?

Então, é por essa porta de trás, que a Amazon está entrando pela frente no mundo do search.

Em artigo do site especializado Search Engine Watch, o que está previsto é que essa atuação expanda-se inclusive para fora dos muros do marketplace Amazon. Veja: “In another extension of its full-court press to rapidly expand its online advertising business, Amazon is now testing a pilot program that lets advertisers use search queries to retarget ads across the web using its demand side platform. It’ll be the first time Amazon’s rich search data will be used outside the walls of its own platform for advertisers to capture shoppers’ intent and serve up more personalized ads”.

Ou seja, Amazon passa a ser um player de online advertising cada vez mais abrangente e poderoso, tendo como upside desse movimento incomodar também o Google no mundo do search.

Briga de cachorro muito grande. E a gente aqui, só assistindo de camarote.

Fonte: ProXXima

Facebook e Instagram agora avisam quanto tempo o usuário passa nas redes sociais

Há algum tempo, o Facebook tinha anunciado a ferramenta “Tempo no Facebook” para ajudar os usuários a gerenciarem quanto tempo eles passam navegando pela rede social. Eis que nesta quarta-feira (21), o recurso é enfim lançado, chegando gradativamente aos dispositivos Android e iOS. Na seção em questão, é possível visualizar quantos minutos foram gastos no app no aparelho celular em uso durante a última semana.

O usuário também pode definir um limite diário e receber um lembrete para que o aplicativo o avise para dar uma pausa na navegação após um determinado tempo. É importante ressaltar que a ferramenta não se aplica apenas ao Facebook, já que o Instagram também está recebendo esse novo painel de atividades. Para encontrar os novos recursos, basta acessar a página de configurações em qualquer um dos dois apps.

No Facebook, toque em “Tempo no Facebook”, e no Instagram, basta selecionar “Sua atividade”. Na parte superior, haverá um painel revelando o tempo médio que cada app foi usado. É possível ver somente o total do dia, também. E para definir um lembrete diário, que o alertará quando atingir o tempo estipulado para passar na rede social, basta configurar o painel na parte de baixo. O lembrete pode ser alterado ou cancelado a qualquer momento.

(Imagem: Facebook Newsroom)

Caso queira um empurrão extra para não acessar muito ambas as redes, basta ir em “Configurações de notificação” e ativar a nova opção “Silenciar notificações Push”. Com isso, as notificações do Facebook e do Instagram serão silenciadas por um tempo. Apesar de estarem um pouco escondidas, as duas ferramentas podem ajudar os usuários a se manterem um pouco mais desapegados das mídias sociais, focando as atenções em outras atividades.

Contudo, o recurso está chegando apenas para aplicativos e, portanto, nas versões web do Facebook e do Instagram o uso permanece livre, sem opções de auto gerenciamento de tempo. Isso levanta questões sobre opções mais pesadas de restrições, ou pelo menos mais expostas, às vistas dos usuários. Além disso, não há uma distinção exata da contagem de tempo ativa e passiva no painel, o que pode dificultar um pouco o gerenciamento.

Isso significa que não dá exatamente como ver detalhadamente quanto tempo é gasto visualizando o feed de notícias, assistindo Stories ou explorando fotos e perfis; tampouco é definido se/quando o usuário cria postagens ou comentários e/ou envia mensagens privadas e interage em grupos. Ter um gráfico com tais detalhes certamente forneceria uma visão mais clara e possivelmente ajudaria a pessoa a transformar seu tempo nas redes sociais em algo mais produtivo.

Em agosto, quando as novidades foram anunciadas oficialmente, o comunicado afirmava que as ferramentas foram desenvolvidas para que “o tempo que as pessoas passam no Facebook e no Instagram seja positivo, inspirador e com propósito”. A companhia de Mark Zuckerberg ainda desejava que “as novas ferramentas proporcionem mais controle sobre o tempo que as pessoas passam em nossas plataformas e também estimulem conversas entre pais e filhos sobre os hábitos online mais adequados para eles”.

Fonte: WiredTech CrunchFacebook Newsroom 

Facebook usará IA para saber com quem você mora e como é a sua casa

O modelo de negócios do Facebook requer que a rede social saiba cada vez mais sobre quem são seus usuários para melhor direcionar as publicidades. Assim, quanto mais a rede souber sobre alguém, melhor.

Uma patente registrada recentemente pelo Facebook e publicada no site do Escritório de Patentes e Marcas Registradas dos EUA revela que a rede social parece estar encontrando formas de saber como são as casas de seus usuários e com quem eles moram:

“Um sistema online prevê características familiares de um usuário, por exemplo, tamanho do domicílio e composição demográfica, com base nos dados de imagem do usuário, por exemplo, fotos de perfil, fotos postadas pelo usuário e fotos postadas por outros usuários conectados socialmente com o usuário, e dados no perfil do usuário que sugerem relacionamentos entre indivíduos mostrados nos dados de imagem do usuário.”

A técnica utiliza aprendizado de máquina e reconhecimento de imagens por inteligências artificiais para interpretar fotos, interações entre usuários, relações de parentesco e relacionamentos. O objetivo, de acordo com o registro, é “fornecer uma entrega de conteúdo aprimorada e direcionada ao usuário e sua família’. Usando os novos algoritmos, o Facebook será capaz de entender quem são seus colegas de quarto ou mesmo se há crianças pequenas que não possuem perfis na rede social vivendo sob o mesmo teto que você.

A novidade pode ser um diferencial para o Facebook, já que nenhuma outra empresa possui informações suficientes para oferecer serviços que englobem toda uma unidade residencial e seus ocupantes, fornecendo melhorias no direcionamento de publicidades. A patente, que foi publicada na última quinta-feira (15), foi registrada em maio, mas nada pode assegurar que já não esteja sendo utilizada pela rede social no fornecimento de anúncios segmentados. Esta mais uma prova de que não sabemos como nossos dados estão sendo utilizados pelas empresas a quem os confiamos.

Fonte: PhoneArena

Em carta à Rosa Weber, IT&E cobra combate a fake news

Instituto Tecnologia e Equidade destaca a importância da alfabetização digital da população, além de montar uma espécie de sala de monitoramento de redes sociais para as próximas eleições.

As fake news assumiram boa parte das discussões durante as Eleições deste ano. Para muitos especialistas, as notícias falsas – que geram desinformação em massa – influenciaram os resultados nas urnas. Diferentes pesquisas também apontaram que os brasileiros não sabiam discernir o que era verdade e o que era mentira do conteúdo que recebiam em apps como o WhatsApp. Pesquisa do INCT (Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação) relatou que 68,3% da população brasileira não desconfia de nada daquilo que recebe como noticioso.

Entretanto, em entrevista após o resultado do segundo turno das eleições 2018, a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber, afirmou que o órgão saiu vencedor no combate às notícias falsas, que estiveram em destaque ao longo dos últimos meses no processo eleitoral. O Instituto Tecnologia e Equidade parece não concordar. Nessa segunda-feira (5), o Instituto encaminhou uma carta endereçada a ministra com recomendações para o combate às fake news para as próximas eleições, pois “acreditamos que as atuais ficarão marcadas na nossa história como as eleições da polarização”, assina a entidade em comunicado compartilhado com a imprensa.

Entre as recomendações, o Instituto destaca a importância da alfabetização digital da população como parte central para a diversidade do debate democrático, além de montar uma espécie de sala de monitoramento de redes sociais, plataformas digitais, agências de checagem de fatos, partidos políticos, empresas de mídia, mediadores e observadores.

No texto abaixo, você pode conferir a carta do IT&E na íntegra e as recomendações:

Excelentíssima Ministra Rosa Weber,

Viemos por meio desta carta, oferecer ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) recomendações para as próximas eleições no Brasil, pois acreditamos que as atuais ficarão marcadas na nossa história como as eleições da polarização, do discurso de ódio e da desinformação. Cremos também que é possível evitar essa situação nas próximas campanhas.

Combater a desinformação é possível e necessário para garantir um processo democrático transparente, ético e equilibrado. Isso requer conhecimento em relação à dinâmica do Sistema Propaganda Eleitoral na Internet, seus estoques (conjuntos que podem ser medidos), processos, atores e ciclos de feedback, como pode ser visto no Mapa abaixo. Com um pouco de atenção, ele se mostra compreensível para qualquer pessoa. O conteúdo faz parte do White Paper “Recomendações sistêmicas para combater a desinformação nas eleições do Brasil”. O documento foi lançado em julho pelo IT&E (Instituto Tecnologia e Equidade).

Nós, do Instituto Tecnologia e Equidade, apresentamos, abaixo, três caminhos de ação concretos para o TSE agir. Esperamos que sejam considerados e implementados até as próximas eleições municipais em 2020″.

Alfabetização Digital, Midiática e Informacional para a população brasileira: o TSE deveria oferecer conteúdos regulares em Rádio, TV, Redes Sociais, Escolas, WhatsApp, entre outros tipos de plataformas de informação, sobre como evitar a polarização radical e o discurso de ódio, fomentar os valores democráticos; ensinar como fazer checagem de fatos, como não ser manipulado por conteúdos digitais, etc. Durante o período eleitoral, esse conteúdo deveria ocupar parcela considerável do tempo eleitoral gratuito.

A mini-reforma eleitoral passou o tempo de campanha de 90 para 45 dias. Portanto, é de suma importância exigir que as Plataformas Digitais, meses antes das eleições, façam e divulguem relatórios semanais de movimentos anormais de criação de grupos de compartilhamento de mensagens, de movimentos de spam, uso de robôs e demais mecanismos que indiquem uso indevido das tecnologias para amplificação de conteúdos para além do uso natural, individual e pessoal das redes sociais. Em caso de suspeitas, solicitar que as plataformas expliquem a natureza desses movimentos ou em caso de desconhecimento ou possibilidade de alto risco de serem grupos criados para manipular o processo eleitoral, que apliquem as suas Políticas de Comunidade com rigor e suspendam contas e grupos de modo a proteger o processo democrático de forma preventiva;

Montar uma Sala de Monitoramento (Sala de Crise) com atores qualificados em monitoramento de redes sociais, plataformas digitais, agências de checagem de fatos, partidos políticos, empresas de mídia, mediadores e observadores. O objetivo é que ela contribua para monitorar, em tempo real, os processos mais virais que ocorrem durante o período da propaganda. A partir dela, tomar rápidas decisões para antecipar processos desinformativos com tendências de viralização. Essas manadas de desinformação seriam rapidamente desarticuladas, com consequências punitivas diretas aos seus autores, incluindo candidaturas, que podem ser responsabilizadas por ações de seus militantes.

No mundo virtual, tudo ocorre na velocidade da luz. Se a Justiça Eleitoral não se atualizar em suas práticas, continuará achando que esse é um problema sem solução e continuará se eximindo de suas responsabilidades como ator mais importante em todo processo eleitoral.

Constatamos, em grande medida, a hipótese que motivou e deu origem aos projetos que desenvolvemos no IT&E neste ano de eleições: “o uso da tecnologia terá um impacto maior do que os recursos financeiros no resultado eleitoral”.

O uso da nossa metodologia, com base no pensamento sistêmico, tem sido uma ferramenta essencial na análise, no entendimento e na atuação estratégica em projetos para diminuir o impacto da desinformação nas eleições 2018 e procurar caminhos para fazer frente ao principal problema enfrentado pelas autoridades eleitorais. Oferecemos esta experiência, metodologia e aprendizados para o TSE.

Trata-se de um desequilíbrio no sistema eleitoral que impacta todos os atores que participam do processo democrático. Obviamente trata-se de um problema que atinge todos os partidos de alguma ou outra forma e o principal impactado é o eleitor.

Não seremos capazes de enfrentar esse processo de desinformação – que lamentavelmente tem desequilibrado o jogo democrático – sem ações articuladas, colaborativas, estruturadas fortes e corajosas.

Fonte: idgnow

Facebook bloqueia contas por comportamento suspeito nas eleições dos EUA

Nesta terça-feira (6) estão ocorrendo as eleições de meio mandato de 2018 dos Estados Unidos. Porém, apenas algumas horas depois da abertura das urnas, o Facebook anunciou que bloqueou cerca de 30 contas na rede social, enquanto que o Instagram bloqueou outras 85. O argumento é que esses perfis estavam se “comportando de maneira coordenada e não autêntica”.

A dica sobre essas contas parece ter sido dada às agências policiais dos Estados Unidos na noite de domingo (4). Enquanto isso, o Facebook diz que ainda está investigando as contas bloqueadas, e, embora a empresa não tenha divulgado explicitamente o que esses perfis fizeram ou quantas pessoas alcançaram, a notícia deixa a entender que foram questões de influência política, as quais podem afetar o processo eleitoral.

As preocupações com os efeitos que os discursos e notícias políticas em redes sociais causam sobre as pessoas têm aumentado muito desde o ciclo eleitoral e o Facebook parece engajado em mostrar ao seu público e ao seu país que se importa com esse tipo de comportamento dentro de suas principais plataformas.

 As páginas suspeitas que foram bloqueadas eram, em sua grande maioria, de origem francesa e russa, de acordo com o Facebook, enquanto que os perfis do Instagram eram em grande parte ingleses. Contudo, a companhia ainda precisa confirmar a origem das contas e, inclusive, averiguar se elas estão vinculadas a qualquer grupo de interferência externa, tal como a Agência de Pesquisa da Internet da Rússia.

Publicidade em mídias sociais continua a crescer em ritmo acelerado, aponta pesquisa

Segundo a pesquisa “Paid Social Trends” do 2º trimestre, investimento em anúncios em mídias sociais cresceu 40% em base anual

Os investimentos em publicidade em mídias sociais mantiveram sua trajetória de crescimento acelerado e registraram um crescimento de 40% em base anual (Jul/2017-Jun/2018 em relação ao mesmo período anterior). É o que mostra o estudo “Paid Social Trends” do 2º trimestre, desenvolvido pela iProspect. Essa taxa leva em consideração investimentos no Facebook, Instagram, Pinterest, Snapchat, Twitter e LinkedIn. A pesquisa foi realizada com mais de 210 marcas, cujas ações abrangem investimentos em vários países, incluindo o Brasil.

O anúncios em mídias sociais continuam a ganhar espaço dentro do mix de ações de marketing. Isso tanto pela mudança do comportamento do consumidor, como por melhorias das plataformas que continuam a desenvolver formatos mais amigáveis para os anunciantes. Apenas nos segundo trimestre, já foram ao menos 72 atualizações. Essas alterações impactam a performance das campanhas, retroalimentando o interesse neste tipo de comunicação”, explica Gustavo Macedo, diretor de Marketing e Creative Content da iProspect.

A pesquisa mostra que o LinkedIn foi a rede social que registrou o maior crescimento em investimentos em anúncios pagos, 167% comparado ao trimestre anterior e 245% em base anual. Tal desempenho está associado à sazonalidade das estratégias dos anunciantes na plataforma (o investimento no 2º trimestre costuma ser maior do que nos trimestres anteriores) e ao alto engajamento dos usuários do Linkedin que atraem muitas marcas de B2B ou mesmo de B2C com produtos corporativos e de luxo. Novas funções como o Lead Generation e o Carousel Ads também trouxeram grandes oportunidades para as marcas.

Já o Facebook Inc. (holding que reúne Facebook, Instagram e Audience Network) registrou uma variação positiva de 54% (base anual) e 17% (em relação ao trimestre anterior). Embora o crescimento se verifique em todas as plataformas da holding, a rede Facebook foi a que mais contribuiu para este crescimento que está associado a questões sazonais, expansão orgânica, busca de novos prospects e uso mais intensivo de modelos mais interativos de anúncios (a exemplo do Dynamic Ads for Broad Audiences), entre outros. Chama a atenção também o fato de os investimentos em anúncios em vídeo na holding já representarem 53% do total. Isso é devido à adoção de novidades como o Instagram Stories e In-Stream (mid-roll), bem como a maior adoção de recursos de vídeo e animação para blocos de anúncios.

Os gastos com o Snapchat aumentaram 142% em relação ao ano anterior e 9% em relação ao trimestre. Ambos os avanços são devidos à introdução de novos tipos de anúncios, incluindo filtros não geográficos e Lentes Snap, e para o maior espaço/destaque para a publicidade na plataforma. Houve um aumento de 168% comparado ano a ano em gastos com o Snap Ads, o que indica o amadurecimento deste formato e também a resposta positiva do mercado a criação da recém-lançada unidade de publicidade do Snapchat.

Pinterest registrou um crescimento de 17% em base anual e uma queda de 11% em relação ao trimestre anterior. Esta queda está associada a fatores sazonais e a iProspect espera que os investimentos nesta rede continuem a crescer, assim como vem ocorrendo nos trimestres anteriores. Isso porque a rede vem promovendo aprimoramentos importantes em termos de mensuração e formatos de publicidade que facilitam o desenvolvimento e acompanhamento de campanhas.

Por fim, o investimento no Twitter caiu 66% comparando ao ano anterior. Mas, está em alta em 2018, com 32% de aumento em comparação com o primeiro trimestre do ano. Vídeos no Twitter continuam a representar a maior parte do gasto por objetivo – 36% – no segundo trimestre de 2018, conforme as marcas continuam a ver fortes resultados com o formato Video In-Stream. O estudo aponta que as marcas estão começando a explorar o Twitter não apenas para obter visualização de seus vídeos, como para atingir outros objetivos de comunicação. Melhorias nos produtos de publicidade oferecidos e a possibilidade de checagem de dados de audiência por terceiros contribuem com este movimento.

“Como as redes sociais são um canal em constante evolução, o sucesso das marcas depende, em grande parte, de sua capacidade de acompanhar esses desenvolvimentos e adaptar suas estratégias, tanto em termos de mensagens e formatos, como em relação a diferentes aspectos da jornada do consumidor”, ressalta Gustavo Macedo.

Fonte: digitalks