Bancos e setor de bebidas dominam ranking de marcas mais valiosas do Brasil, diz pesquisa

Itaú, Bradesco, Skol, Brahma e Banco do Brasil continuam na liderança, como nos últimos seis anos, segundo a Interbrand; veja a lista.

As empresas do setor financeiro e de bebidas continuam na liderança do ranking das 25 marcas mais valiosas do Brasil em 2018, de acordo com uma pesquisa da consultoria Interbrand divulgada nesta quinta-feira (22).

Das cinco primeiras posições, três são bancos e duas são marcas de bebidas alcoólicas.

Como nos últimos seis anos, as cinco marcas de maior valor são Itaú, Bradesco, Skol, Brahma e Banco do Brasil (veja abaixo a lista completa). Este ano, a marca Assaí passou a integrar o ranking, ocupando a 23ª posição, com um valor de R$ 459 milhões.

Itaú é a marca com maior valor de mercado do Brasil, segundo a Interbrands, com R$ 29,7 bilhões. — Foto: Sergio Moraes/ReutersItaú é a marca com maior valor de mercado do Brasil, segundo a Interbrands, com R$ 29,7 bilhões. — Foto: Sergio Moraes/Reuters

Itaú é a marca com maior valor de mercado do Brasil, segundo a Interbrand, com R$ 29,7 bilhões. — Foto: Sergio Moraes/Reuters

O valor total das marcas que compõem o ranking cresceu 2,7% em relação a 2017, se aproximando de R$ 120 bilhões. Das 25 marcas ranqueadas, nove perderam valor. Já as que estão no topo da lista ficaram ainda mais valiosas, com as cinco primeiras correspondendo a 75,8% do total, ante 75,3% no ano passado.

Veja abaixo as 25 marcas mais valiosas do Brasil em 2018:

  1. Itaú: R$ 29,7 bilhões (+6%)
  2. Bradesco: R$ 22,6 bilhões (+2%)
  3. Skol: R$ 16,9 bilhões (+6%)
  4. Brahma: R$ 11,3 bilhões (+1%)
  5. Banco do Brasil: R$ 10,1 bilhões (-2%)
  6. Natura: R$ 7,5 bilhões (+8%)
  7. Antarctica: R$ 4,04 bilhões (-1%)
  8. Petrobras: R$ 3,07 bilhões (+1%)
  9. Vivo: R$ 2,3 bilhões (-2%)
  10. Cielo: R$ 1,4 bilhão (-18%)
  11. Renner: R$ 1,32 bilhão (+2%)
  12. Lojas Americanas: R$ 1,15 bilhão (+1%)
  13. Ipiranga: R$ 1,12 bilhão (-2%)
  14. BTG Pactual: R$ 938 milhões (-13%)
  15. Magazine Luiza: R$ 745 milhões (50%)
  16. Casas Bahia: R$ 722 milhões (+5%)
  17. Porto Seguro: R$ 715 milhões (+12%)
  18. Havaianas: R$ 656 milhões (-5%)
  19. CVC: R$ 518 milhões (+21%)
  20. Extra: R$ 506 milhões (+1%)
  21. Bohemia: R$ 462 milhões (-3%)
  22. Localiza: R$ 461 milhões (+10%)
  23. Assaí: R$ 459 milhões
  24. Totvs: R$ 457 milhões (-8%)
  25. Fleury: R$ 441 milhões (+7%)
 Fonte: Interbrand

Amazon e Apple: o que vem depois do trilhão?

De acordo com especialistas em branding, a barreira ultrapassada pelas duas empresas em valor de mercado reforça conexão entre marketing e resultados

Um trilhão. Essa quantia, que ultrapassa o PIB de muitos países, foi a marca alcançada em valor de mercado por Apple e Amazon recentemente. A valorização dessas duas empresas, apesar de estar baseada na expectativa do mercado financeiro, sujeita a oscilações, reflete diretamente no valor das respectivas marcas. De acordo com o último estudo desenvolvido pela Interbrand, Apple e Amazon estão entre as cinco mais valiosas do mundo avaliadas, respectivamente em US$ 184,2 bilhões e US$ 64,8 bilhões. Neste contexto, o que a aposta do mercado tem em relação com a marca construída por trás dessas duas empresas?

Segundo Jaime Troiano, sócio fundador da Troiano Branding, o valor de mercado de ambas tem relação com a forma como elas foram gerenciadas e na maneira que construíram suas bases de entrega de experiência ao público. “E é, ao mesmo tempo, um enorme fortalecimento de sua reputação diante dos atuais e potenciais acionistas”. Ele considera que é a demonstração do quanto marcas que são inspiradas e conduzidas por propósitos tornam-se bem sucedidas. “Têm um poder natural de multiplicar seus resultados e deixam para outras empresas o exemplo da importância legitima de construir branding”, afirma.

A expectativa, base com a qual se trabalha o mercado financeiro para determinar o valor dessas empresas, é também construída por meio da conexão que essas marcas geram. “Quando falamos em expectativas, estamos falando de percepções, de opiniões, de futuro e, indissociavelmente, de marcas. Os diversos métodos que se propõem a determinar o valor das marcas nos oferecem números tão díspares quanto as regras que os governam. Ainda que por vezes um oceano os separe, importa aqui a intenção de medir a geração de valor deste intangível que captura e impulsiona riquezas para as organizações. Importa buscar compreender de alguma maneira este movimento”, observa Hélio Mariz de Carvalho, CEO e Sócio da FutureBrand.

André Matias, diretor de estratégia e brand valuation da Interbrand, afirma que esse valor simboliza a solidez da Apple e Amazon, mas está sujeito a movimentos. “Quando pensamos em valor de mercado, existe uma volatilidade maior pelo impacto especulativo de compra e venda de ações. Ou seja, apesar de histórico e simbólico, esse é um número que pode variar muito e não necessariamente representar o real valor dessas empresas”. Ele ainda ressalta que o valor de marca ajuda a balizar melhor a relevância da Apple e da Amazon no longo prazo por considerar o desempenho financeiro projetado para essas empresas.

“Isso nos leva a intuir que compreender as marcas não pode ser simplesmente atribuir a elas um valor. Talvez, quando avaliamos o impacto das marcas, as melhores perguntas devessem ser mais abrangentes e ambiciosas. O que vem depois do trilhão? Como garantir a continuidade do sucesso e a perpetuidade das organizações e suas marcas? Que papel marcas tão poderosas devem desempenhar nos dias de hoje e no futuro? Que retorno darão a todos nós? Viveremos melhor por causa delas? ”, explica Hélio.

Neste gráfico, desenvolvido pela Interbrand, a evolução de Apple e Amazon em valor de marca nos últimos dezessete anos.

 

Fonte: Meio e Mensagem