O mercado não sabe o que é Web Analytics

Insights sobre dados podem trazer para a empresa uma descoberta de um erro que poderia impactar vendas ou uma melhoria que auxilie na resolução de um problema

 Recentemente tive mais de 99 recomendações no meu LinkedIn sobre Google Analytics, com diversos profissionais e amigos me recomendando sobre esse skill e fiquei muito contente por atingir esse número. Passada a euforia, eu fiquei com uma pulga atrás da orelha e algo me chamou muita a atenção. Apesar de ter mais de 99 recomendações nesse skill, em web analytics mesmo eu tinha apenas 34.

Claro que muitas pessoas podem me recomendar por Google Analytics e não fazer o mesmo em WA, mas isso me chamou muito a atenção pois é algo que vivemos muito no mercado. Vendo essa informação pude constatar que o mercado até hoje ainda possui muitas dúvidas sobre o que é Web Analytics e acaba confundindo a análise de dados com a ferramenta. Uma das principais causas disso é a falta de conhecimento em entender que web analytics está no fato de transformar os dados em ação e não importa onde estão esses dados, excel, Google analytics ou através de uma pesquisa com usuários.

Vamos fazer um exercício sobre Web Analytics e Interpretação de dados:

Interpretando os dados mostrados na imagem abaixo, o que você consegue concluir?

Analise um pouco o gráfico antes de saber a interpretação.
Este é um gráfico personalizado mostrando a hora que mais vende no site.  Interpretando esse gráfico, chegamos a decisão que a hora que mais vende no site é as 15:00. Agora a pergunta que tenho que fazer é? Ok, mas porquê? Qual canal que mais vende a essa hora?

Através do relatório personalizado que criamos no Google analytics conseguimos ver que a hora que mais vende é as 15:00 e que os canais que mais influenciam para isso são e-mail e Adwords, seguindo por Google orgânico e tráfego direto.

Nessa interpretação de dados, concluímos que se aumentarmos nosso investimento em Adwords às 15:00 podemos obter um retorno maior, ou que podemos enviar os e-mails segmentados para as bases antes das 15, mas vale a pena linkar isso com a taxa de abertura e cliques por hora também.

Outro exemplo:
Interpretando os dados abaixo, o que podemos concluir? Este é um gráfico de pesquisas internas do site!

Analise um pouco o gráfico antes de saber a interpretação.
Este é um gráfico com mais interpretações. Primeiro ponto que podemos interpretar é que Orquídea é meu produto mais buscado e vendido:

Segundo ponto que podemos analisar é que estamos perdendo oportunidade com a busca por girassol e margarida. Os usuários acessam meu site, buscam por essa informação e eu não vendo o produto. Se somarmos as buscas de “girassol”, “girasol” e margarida, temos 20 buscas, se tornam os mais buscados.

A principal interpretação desse relatório de Web Analytics é que os usuários estão entrando no seu site e dizendo: “Eu quero comprar margaridas” “Eu quero comprar girassol”, só que você não tem esse produto! Você está perdendo uma oportunidade aqui!

O terceiro ponto a ser analisado no relatório é uma possível falha na sua ferramenta de busca. A ferramenta está separando os resultados das buscas para “lirio” e “lirios” e “orquidea” e “orquideas”. Será que seu site diferencia singular de plural? Ou direciona ambos para o mesmo resultado? “Orquídea” no singular e “lírios” no plural possuem receita já “orquídeas” no plural e “lírio” no singular não possuem receita. Tem algo no mínimo estranho aí!

O último ponto a ser analisado neste relatório de buscas é a possível criação de uma categoria chamada “Presente de Aniversário” com dicas para presentear as pessoas com flores.

Se meu site tem 10 buscas por esse termo e ainda sim possui venda, significa que meus usuários querem saber dicas de como presentear alguém com flores. Talvez a criação de uma categoria de presentes de aniversário ou uma página ajudando o usuário a comprar presentes de aniversário pode aumentar a sua conversão, uma vez que os usuários já buscam por isso em seu site.

Em um gráfico simples de busca do site, analisamos diversos pontos para melhorar ou oportunidades para aumentar a nossa conversão e interação com o usuário.

Um trabalho de Web Analytics vai muito além de analisar as métricas mais conhecidas apenas e vai muito mais muito além da ferramenta. É como se você ganhasse um celular totalmente poderoso soubesse que ele faz infinitas coisas, mas não utiliza nada. Para que você tem esse telefone?

No mercado digital, temos junto a Web Analytics e suas ferramentas de monitoramento a possibilidade de mensurar os dados e de criar e inovar no mercado, pois podemos analisar o resultado positivo ou negativo de uma nova funcionalidade em real time. É por isso que dizemos que web analytics é mais que um gráfico bonitinho.

Fonte: Mundo do Marketing

8 startups brasileiras que podem ajudar a escalar o seu negócio em 2018

Soluções se debruçam em tecnologias emergentes como big data, analytics e inteligência artificial para movimentar o mercado B2B

 

No caminho sem volta da transformação digital, muitas empresas tradicionais e mesmo as nascentes podem se perder se não adotarem boas práticas digitais para os seus negócios.

É claro, nem todo negócio é igual ao outro, mas o que os diferenciam é o segmento de atuação. O comportamento, planos, visão empreendedora com foco em inovação são os grandes desafios para se ter sucesso.

Na lista abaixo, selecionamos oito startups brasileiras que desenvolvem soluções dedicadas ao mercado B2B e que podem ajudar a escalar o seu negócio em 2018.

Vianuvem

A startup oferece uma plataforma para gestão de documentos e processos em nuvem para empresas, chamada de Gerenciamento Eletrônico de Documentos (GED). A tecnologia prevê gerar, controlar, armazenar, compartilhar e recuperar informações existentes em documentos. A solução digital, segundo Fredy Evangelista, CEO da Vianuvem, traz redução no uso de papéis e otimiza os processos internos como contratos, notas fiscais, entre outros. O serviço avalia as necessidades específicas do cliente e oferece um sistema modular, o que possibilita a implantação gradativa do GED.

upLexis

A empresa oferece tecnologias para análise e interpretação de grandes volumes de dados extraídos da internet e de outras bases de conhecimento, disponibilizando informações relevantes para outras empresas escalarem. Utilizar dados extraídos de do chamado big data pode dar vantagens competitivas para conhecer clientes, gerar novos leads e evitar fraudes com compliance.

Zeeng

Por meio de uma plataforma com interface simples e intuitiva, a Zeeng criou uma plataforma de big data analytics para o setor de marketing e comunicação. A startup atua junto às companhias da área para antecipar movimentos estratégicos de seus competidores, acompanhar as ações de diversas marcas no ambiente digital e entender o comportamento do mercado e dos seus consumidores.

Propz

A startup oferece um sistema de inteligência artificial e big data para o varejo e serviços financeiros e é pioneira na aplicação dessas tecnologias que entendem, predizem e reagem ao comportamento de consumo em tempo real e de forma automatizada. A tecnologia proporciona um aumento de até 10% no ticket médio e mais de 6% na frequência em lojas.

Tracksale

Com a premissa de utilizar pesquisas no pós-venda para identificar e resolver os principais problemas e gargalos dos consumidores, a Tracksale oferece uma solução tecnológica para melhorar a experiência de compra. Com tecnologia Net Promoter Score do Brasil (NPS), a plataforma permite que as marcas possam coletar, de forma ágil e fácil, seus feedbacks, feitos por meio de uma única pergunta realizada via e-mail, SMS, websites, widget e aplicativos: “Em uma escala de zero a dez, quanto você recomendaria a empresa e o porquê?”.

Cobli

A startup paulistana, especializada no controle de frotas, telemetria e roteirização, desenvolveu um sistema capaz de fornecer, em tempo real, mais de cinco mil informações sobre o veículo. Por meio de inteligência artificial e com mais de um bilhão de quilômetros registrados, a empresa monitora e entrega relatórios que avaliam a logística, rastreamento de veículos, roteirização e acompanhamento do modo de condução dos motoristas.

Konduto

A startup tem como objetivo monitorar todo o comportamento de navegação e compra de um usuário em uma loja virtual ou aplicativo mobile e, com isso, calcular em menos de 1 segundo a probabilidade de fraude em uma transação on-line. Além disso, o sistema também leva em consideração informações “básicas” da análise de risco, como geolocalização, validação de dados cadastrais e características do aparelho utilizado na compra (fingerprint), gerenciamento de regras condicionais e revisão manual.

Trustvox

O consumidor está cada vez mais exigente antes de adquirir um determinado produto, por isso eles estão em busca de sites que prezam pela transparência e sinceridade. Pensando nisso, a Trustvox desenvolveu solução que certifica reviews no Brasil, assegurando a veracidade das avaliações. O propósito é tornar o mercado do e-commerce mais transparente e, por consequência, gerar cada vez mais vendas aos comerciantes.

Fonte: IDG Now

6 livros que todo o cientista de dados deveria ler

A melhor maneira de se manter atualizado e em contato com a evolução do seu mercado é cultivando o conhecimento teórico ao mesmo tempo em que se desenvolve a experiência na prática. Esta combinação de habilidades é crucial e certamente vai ajudá-lo a ter maior sucesso na sua área de atuação.

Para quem trabalha com Data Science não é diferente. Para ser bem sucedido neste meio você precisa estar preparado para passar o tempo fazendo pesquisas e ampliando continuamente o seu conhecimento.

Mesmo exercendo suas atividades práticas no dia a dia é extremamente necessário o estudo para se manter em contato com as tendências atuais.

Embora existam muitos conteúdos disponíveis na Internet, sugerimos especificamente alguns dos melhores materiais impressos lá fora. São eles:
1. Machine Learning Yearning, de Andrew Ng

Este material, desenvolvido pelo Andrew Ng, apresenta por que a Inteligência Artificial, o Machine Learning e o Deep Learning estão efetivamente transformando a industria.

Machine Learning Yearning

2. Hadoop: The Definitive Guide, de Tom White

O Apache Hadoop é o principal framework usado para processar e gerenciar grandes quantidades de dados. Qualquer pessoa que trabalhe com programação ou ciência de dados deve se familiarizar com a plataforma.

Tom White, um consultor Hadoop especialista e membro da Fundação Apache Software, escreveu o guia definitivo repleto de insights e recursos úteis. Mais importante ainda, ele irá acompanhá-lo através de todo o processo de configuração para se trabalhar com Hadoop.

Hadoop: The Definitive Guide

3. Predictive Analytics, de Eric Siegel

Intitulado Predictive Analytics: o poder de prever quem vai clicar, comprar, mentir ou morrer, este livro explica detalhadamente como você pode tratar a maioria das formas de dados e informações, e transformá-los em previsões ou insights acionáveis.

É tarefa de um cientista de dados analisar dados crus e não estruturados e identificar tendências e padrões utilizáveis. Este livro não só irá ajudá-lo a fazer isso, mas também criar os algoritmos preditivos necessários para melhorar as operações e os processos futuros. Considere a Bíblia da análise preditiva.

Predictive Analytics: The Power to Predict Who Will Click, Buy, Lie, or Die
4. Storytelling With Data, por Kole Nussbaumer Knaflic

Storytelling With Data: um guia de visualização de dados para profissionais de negócios é uma leitura crucial para qualquer pessoa no mercado.

O livro trata da organização e extração de grandes quantidades de dados. Isso significa livrar-se de dados excessivos e pouco claros, melhorando os processos de coleta de dados e a experiência na visualizações de dados relevantes e práticos.

É o guia definitivo para aprender o que você deve fazer com todos os dados úteis que você armazena. Muitas das idéias se aplicam à tecnologia em geral, e é útil mesmo para aqueles que estão fora da área de Data Science.

Storytelling With Data
5. Inflection Point, por Scott Stawski

Mais do que apenas um guia teórico, revela sistemas de trabalho reais e descreve como você pode adaptá-los ao seu negócio ou empresa.

A parte importante é que você aprende com o livro, de maneira clara, como implementar ferramentas e plataformas dentro de sua organização.

Inflection Point
6. An Introduction to Statistical Learning with Applications in R, por Gareth James et al.

Aprendizagem estatística e métodos relacionados são necessários para trabalhar com a ciência dos dados. Este livro foi projetado para ajudar a todos os perfis de público, desde em entusiasta ou estudante até um Ph.D.

Também oferece uma ótima seleção de experiências e práticas R, com explicações detalhadas e orientações passo a passo.

An Introduction to Statistical Learning with Applications in R

 

Fonte: Kayla Matthews Para ler mais postagens da Kayla, assine seu blog Productivity Bytes.

A importância da presença digital para sua empresa e como esse instrumento pode impulsioná-la

A presença digital deve ser levada a sério por empresas de todos os tamanhos – desde uma PME até uma multinacional

Com a ascensão da internet devido ao movimento de transformação digital dos negócios, a tecnologia se tornou indispensável para a vida e o trabalho da maior parte das pessoas. Por conta disso, estar no ambiente online se tornou fundamental na estratégia de marketing de qualquer marca, produto ou serviço.

Por toda essa relevância, a presença digital deve ser levada a sério por empresas de todos os tamanhos – desde uma PME até uma multinacional. Hoje, com as pessoas cada vez mais conectadas na rede, seja por meio de smartphones ou por outros dispositivos, é comum recorrer a internet para qualquer tipo de atividade. Segundo projeções da consultoria Gartner, até 2020, haverá mais de 26 bilhões de dispositivos conectados. Isso significa muitas conexões – alguns até estimam que esse número seja muito maior, mais de 100 bilhões.

Outra questão que não deve inviabilizar o investimento de uma companhia em ambiente digital é a área de atuação. Por mais específico que seja um nicho de mercado, é possível chegar até um determinado público-alvo ou a um cliente em potencial. É importante que se invista tempo e algum esforço para que uma empresa se destaque em âmbito digital. Vale lembrar, que a presença digital não contempla apenas as redes sociais, mas também os acessos da webpage e o conteúdo noticioso que pode vir a ser publicado em portais online.

É bom ressaltar que a atuação no meio digital deve ser planejada e só dá resultados se tiver uma estratégia cuidadosa por trás. Antes de mais nada, os responsáveis pelo marketing precisam definir um objetivo. Aqui pode ser um aumento de vendas, retenção de novos clientes, rebranding, ou até mesmo uma rede virtual criada para o atendimento ao consumidor. O próximo passo é descobrir como o público escolhido se relaciona e se comporta na web. Esse processo é de extrema importância, uma vez que ajuda o gestor de marketing a definir quais os melhores canais para marcar presença.

Cuidado! A popularidade de um canal, ou de uma rede social não garante sucesso à uma estratégia de marketing digital.

É preciso saber onde a audiência desejada está para poder alcançá-la e isso pode envolver outras plataformas. Por fim, defina os formatos e os conteúdos que serão usados para interagir com o público. Lembre-se: a presença digital é um ótimo instrumento para cativar o consumidor e provocá-lo a conhecer uma marca. O engajamento conquistado por meio de uma estratégia digital é um trunfo para a fidelização e retenção de novos clientes.

Eduardo Prange — CEO da Zeeng – Data Driven Platform, e atua com Marketing Digital há mais de dez anos, com participação em mais de cem projetos relacionados ao tema.

Fonte: Adminstradores

Zeeng Drops – #02 – Entrevista Marcelo Trevisani

E o nosso convidado de honra para o segundo Zeeng Drops, é o Marcelo Trevisani, um dos profissionais de marketing de maior destaque no mercado brasileiro. Atuando no mercado há 16 anos, Trevisani já passou por grandes empresas e destacou-se principalmente em suas atuações na Tecnisa e BRF, antes de assumir o cargo de CMO da CI&T.

O Zeeng Drops é o nosso programa quinzenal com conteúdo exclusivo: entrevistas, curadoria de eventos, bate papos, entre outras iniciativas que visam fomentar o mercado de marketing e comunicação através da ciência de dados.

Quem você gostaria de ver em uma edição futura do Zeeng Drops?

Deixe nos comentários o nome ou link do profile no Linkedin de profissionais que vocês gostariam de contar com uma entrevista da Zeeng para as próximas edições do #ZeengDrops 😀

 

SAS inicia terceira turma do curso de cientista de dados

Objetivo é capacitar profissionais a lidar com big data e as mais avançadas ferramentas de visualização e análise de dados do mercado

Com o sucesso do curso de Cientista de Dados do SAS, lançado no Brasil em junho de 2016, uma terceira turma terá início no próximo dia 31. A Academia para Ciência de Dados do SAS utilizará as mais avançadas ferramentas e técnicas de analytics, buscando formar profissionais altamente qualificados para lidar com big data.

O curso é presencial e tem duração de 14 meses, equivalente a 448 horas. Durante esse período, cada aluno passará por aulas teóricas, projetos em equipe, desenvolvimento de estudos de caso e provas de certificação. O programa é composto de dois módulos. O primeiro deles é voltado para a obtenção da Certificação SAS em Big Data e o segundo da Certificação SAS Advanced Analytics Professional. Um vez aprovado, o aluno obtém a Certificação SAS de Cientista de Dados.

Neste mês e em novembro, o SAS já formará a primeira e a segunda turma, respectivamente, de cientista de dados, o que representa cerca de 50 profissionais. Para um dos alunos, o especialista em Big Data, Analytics e Governança da Informação da CertSys, Herbert Morais, o curso teve um papel fundamental em sua vida profissional. “Ele abriu a minha mente e me ajudou a conseguir uma mudança na minha carreira, além de me permitir conhecer pessoas incríveis no próprio SAS. O treinamento foi pago pela minha antiga empresa, como um reconhecimento pelo meu trabalho, e agora estou trabalhando diretamente com cloud e analytics, o que tem sido muito gratificante”, diz o profissional, que participou da primeira turma.

As aulas incluem técnicas de gerenciamento e limpeza de grandes volumes de dados, análises exploratórias, visualização de dados SAS e HadoopMachine Learning e Deep Learning, incorporação de modelagem preditiva e outras habilidades necessárias à formação de um cientista de dados.

Além do conhecimento técnico, é necessário que os candidatos entendam de negócios e tenham experiência em programação, com conhecimentos em matemática aplicada, além de proficiência em inglês.

As inscrições podem ser feitas até o dia 30 de outubro pelo e-mail andreia.santos@sas.com. Para mais detalhes sobre o curso, basta clicar no link Academia de Cientista de Dados.

Profissão do futuro

Atualmente, o cientista de dados é um dos profissionais mais valorizados pelo mercado devido à grande demanda das empresas e ao alto grau de conhecimento técnico desse especialista, o que torna também os salários bem atraentes. A importância desse profissional ganhou tamanha relevância a ponto de ter sido listada pelo Fórum Econômico Mundial como uma das mais relevantes profissões para o mercado até o ano de 2020.

Segundo a coordenadora de Treinamentos do SAS Brasil, Andréia Santos, o objetivo do curso é atender às demandas do mercado por profissionais com formação especializada. “Existe hoje uma necessidade grande das empresas em poder contar com profissionais capacitados em inteligência analítica e Big Data, capazes de extrair informações valiosas desse imenso volume de dados que as organizações têm à disposição. É nesse momento que a figura do cientista de dados ganha importância”, diz a executiva.

O certificado do SAS em Ciência de Dados é reconhecido internacionalmente, permitindo que o profissional possa trabalhar em qualquer mercado ao redor do mundo, conquistando, assim, novas perspectivas de carreira.

Fonte: ITForum365

Rock In Rio é festival com maior presença digital no Brasil

Segundo levantamento realizado pela Zeeng Data Driven Platform, primeira plataforma de Big Data Analytics do mercado brasileiro voltada ao setor de Marketing e Comunicação, o Rock in Rio é hoje o festival com a maior presença digital no Brasil. O evento carioca possui a maior média de visitantes diários, tempo de visita e exibições da webpage, seguido pelo Lollapalooza e o Tomorrowland, respectivamente.

A pesquisa mapeou as últimas edições de cinco grandes festivais de música no Brasil – Rock in Rio 2017, Lollapalooza 2017, Tomorrowland 2016, João Rock 2017 e Planeta Atlântida 2017. O levantamento ranqueou os eventos levando em conta uma combinação de fatores, como a média de visitantes diários, tempo de visita, taxa de rejeição, percentual de visitas oriundas de mecanismos de busca, exibições da webpage e o total de notícias publicadas nos últimos seis meses que antecederam a data de cada um dos eventos.

Neste período, o RiR registrou 7426 notícias publicadas em veículos noticiosos. O evento ainda apresenta a maior taxa de visitas por pesquisa, com 65%, e a menor taxa de rejeição, com apenas 36%. O Lollapalooza, festival que é marcado pelo Pop Rock Indie, registrou 58% das suas visitas oriundas de mecanismos de busca e uma taxa de rejeição de 73%. Os visitantes da página do Lolla costumam navegar por cerca de dois minutos no website do evento.

Já o João Rock, tradicional festival de rock do interior do Estado de São Paulo, possui a maior taxa de rejeição entre os cinco analisados, com 95%. Além disso, o evento também registrou uma das mais baixas médias de tempo de visita em seu website, com cerca de um minuto de navegação, perdendo apenas para o Tomorrowland, que registrou 57 segundos.

“Em plena era digital, a marca que investe em sua presença online acaba, sem dúvida, se destacando em seu mercado. O Rock In Rio é um ótimo exemplo disso, pois possui um ativo digital muito valioso”, explica Eduardo Prange, CEO da Zeeng.

Dados da pesquisa na íntegra:

ROCK IN RIO

Última edição no Brasil: 15, 16, 17, 21, 22, 23 e 24/09/2017

Ranking entre festivais do Brasil: 1º

Visitas por pesquisa: 65%

Taxa de rejeição: 36%

Tempo de visita: 00:03:16

Total de notícias: 7426 notícias – 15/03/2017 até 24/09/2017

 

LOLLAPALOOZA

Última edição no Brasil: 25 e 26/03/2017

Ranking entre festivais do Brasil: 2º

Visitas por pesquisa: 58%

Taxa de rejeição: 73%

Tempo de visita: 00:02:02

Total de notícias: 1021 notícias – 25/10/2016 até 26/03/2017

 

TOMORROWLAND

Última edição no Brasil: 21, 22 e 23/04/2017

Ranking entre festivais do Brasil: 3º

Visitas por pesquisa: 55%

Taxa de rejeição: 90%

Tempo de visita: 00:00:57

Total de notícias: 228 notícias – 21/11/2015 até 24/04/2016

 

JOÃO ROCK

Última edição no Brasil: 10/06/2017

Ranking entre festivais do Brasil: 4º

Visitas por pesquisa: 52%

Taxa de rejeição: 95%

Tempo de visita: 00:01:02

Total de notícias: 224 notícias – 03/08/2016 até 03/02/2017

 

PLANETA ATLÂNTIDA

Última edição no Brasil: 3 a 4/02/2017

Ranking entre festivais do Brasil: 5º

Visitas por pesquisa: website não indexado – não foi possível obter dados

Taxa de rejeição: website não indexado – não foi possível obter dados

Tempo de visita: website não indexado – não foi possível obter dados

Total de notícias: 224 notícias – 03/08/2016 até 03/02/2017

Fonte: Bem Paraná

[IMPRENSA] ZEENG ANUNCIA PLATAFORMA DE BIG DATA ANALYTICS PARA MARKETING E COMUNICAÇÃO

Solução reúne informações oriundas de redes sociais, notícias e bases de dados públicas de instituições

Em meio ao movimento de transformação digital dos negócios, a capacidade de analisar e agir sobre dados tem sido fundamental para as empresas. Essas mudanças, aliadas à necessidade de ações imediatas, tornaram a tomada de decisão estratégica cada vez mais complexa, uma vez que as companhias competem em âmbito global.

Pensando em auxiliar os gestores de Marketing e Comunicação, e também democratizar a ciência de dados, a Zeeng criou a primeira plataforma de Big Data Analytics do Brasil voltada ao setor – a Zeeng Data Driven Platform.

A empresa aposta em uma interface simples e intuitiva para que as companhias da área possam antecipar movimentos estratégicos de seus competidores, acompanhar as ações de diversas marcas no ambiente digital e entender o comportamento do mercado.

“Antes as marcas agiam olhando para trás, interpretando dados do passado. Hoje, as empresas são obrigadas a monitorar seu mercado em tempo real para que a tomada de decisão seja a mais assertiva possível”, explica Eduardo Prange, CEO da Zeeng.

Vertentes

Para gerar inteligência competitiva aos seus clientes, a plataforma opera em cinco vertentes: antecipação de lançamento de produtos a partir de sua base de dados, monitoramento de notícias e promoções, análises de comportamento em mídias sociais e presença on-line. Todos os dados podem ser visualizados em tempo real e são organizados em dashboards que facilitam a geração de insights.

A solução reúne informações oriundas de redes sociais, notícias e bases de dados públicas de instituições, como Ministério da Agricultura, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), Instituto Nacional Propriedade Industrial (INPI) e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esse conteúdo é processado pela plataforma, que gera uma série de conclusões embasadas por noções sólidas do mercado, auxiliando os profissionais no planejamento e execução das ações e estratégias de marketing da sua empresa.

“Entendemos que, na era da informação, é fundamental trabalhar com dados e evidências, deixando de lado a intuição e construindo verdadeira inteligência competitiva para um empoderamento na tomada de decisão”, completa Prange.

Atualmente, a Zeeng tem 15 clientes ativos em seu portfólio e mais de 550 empresas monitoradas. Até o final de 2017, a expectativa da companhia é atingir mais de 50 clientes em sua base de dados e aproximadamente 1 mil empresas monitoradas.

Fonte: ITForum365

Caminhos para se tornar um Cientista de Dados

Que esta é a profissão do futuro já não restam mais dúvidas. Agora quais os primeiros passos para os interessados em se tornar um cientista de dados e como ingressar nesta profissão?
 Sempre associamos a imersão em um novo desafio profissional a elevados investimentos financeiros, mas muitas vezes as alternativas existentes dependem muito mais de tempo e dedicação do que dos recursos financeiros propriamente dito.
Neste sentido separei algumas dicas de cursos (gratuitos e pagos) sobre este tema  para os profissionais interessados em se desenvolver nesta fascinante e exponencial carreira.
A DSA é uma comunidade de especialistas em Ciência de Dados, que tem por objetivo levar treinamento e qualificação profissional em algumas das áreas que mais crescem atualmente. Data ScienceBig Data, Analytics e Internet das Coisas estão demandando profissionais altamente capacitados e a DSA está aí para fornecer treinamento qualificado e diferenciado!
Na Comunidade você encontra desde cursos gratuitos, como o de Fundamentos em Big Data e o de Introdução a Ciência de Dados, até cursos pagos como Formação em Cientista de Dados, Formação em Inteligência Artificial, entre outros.
Confira a lista completa de cursos no site da Data Science Academy.
2 – Udemy
O Udemy é um “marketplace” global para aprendizado on-line com uma extensa biblioteca de mais de 55.000 cursos ministrados por instrutores especializados.  Os preços dos cursos variam bastante, mas existem ótimas opções bem acessíveis como os cursos de Machine Learning e Data Science com Python e Data Science: do Dado à Tomada de Decisão.
3 – IGTI
O Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação é um centro de especialização profissional em TI. Fundado em 2006, tem como missão contribuir para o desenvolvimento de competências e conhecimentos em Tecnologia da Informação.
Atualmente consolidado como referência na área e alunos distribuídos em todo o País, a sua reputação é o resultado de uma gestão acadêmica preocupada com a qualidade da educação, um modelo de ensino interativo e inovador, materiais didáticos de qualidade, uma equipe de professores experientes, um eficiente atendimento ao aluno e uma proposta de cursos com enfoque no desenvolvimento de carreiras em TI.
Dentre os cursos de maior aderência aos profissionais/entusiastas da Ciência de Dados destacam-se: MBA em Ciência de Dados (Big Data), MBA em Aprendizado de Máquina (Machine Learning), MBA em Engenharia de Dados e o MBA em Análise de Inteligência de Negócios.
4 –  IBPAD
Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados é um centro independente de pesquisa e formação de analistas e pesquisadores nas áreas de Pesquisa e Opinião Pública, Política e Relações Governamentais e Comunicação Digital. O foco do Instituto é na aplicação e ensino de técnicas e metodologias de análise de dados com sólida formação científica para atuação no mercado.
Existem ótimas opções e bem acessíveis em cursos como Programação em R, Séries Temporais e Modelos Preditivos. 
5 – Udacity
A Udacity surgiu de uma experiência na Universidade de Stanford. Sebastian Thrun e Peter Norvig ofereceram um curso online gratuito de “Introdução à Inteligência Artificial”, aberto ao público. Foram mais de 160 mil inscritos de 190 países, e logo depois nasceu a Udacity. Hoje é composta por uma equipe cada vez maior de educadores e engenheiros dedicados a mudar o futuro da educação, unindo as competências requisitadas na vida real, uma educação de relevância e empregabilidade.
Existem muitas ótimas opções de cursos na Udacity, porém destaco os seguintes cursos: Fundamentos de Data Science I, Introdução à Análise de Dados, Engenheiro de Machine Learning, Predictive Analytics for Business e o de Fundamentos de Deep Learning.
6 – Coursera
O Coursera proporciona acesso universal à melhor educação do mundo fazendo parcerias com as melhores universidades e organizações para oferecer cursos on-line.
O “cardápio” de opções são inúmeros e podem ser conferidos na lista completa de cursos, porém o destaque vai para o curso de Aprendizagem Automática.
7 – Amazon Web Services (AWS) – Fundamentos da Tecnologia de Big Data
O curso Big Data Technology Fundamentals oferece conhecimentos básicos e gerais sobre as tecnologias usadas em soluções de big data. Ele abrange o desenvolvimento de soluções de big data por meio do uso do ecossistema Hadoop, incluindo MapReduce, HDFS e as estruturas de programação Pig e Hive. Este curso on-line ajuda você a criar uma base para trabalhar com serviços da AWS para soluções de big data. O curso é gratuito e pode ser usado independentemente ou para ajudá-lo a se preparar para o curso Big Data on AWS com instrutor.
O programa apresenta uma visão contemporânea, tanto teórica como prática, que prepara o profissional do marketing no desenvolvimento de pilares fundamentais do marketing analytics, como: o entendimento do ambiente de negócios, gestão de dados e modelagem informacional, análise de redes Sociais, visual information systems, digital analytics, data mining e text Mining, cluster analysis, consumer insights, técnicas integradas de decision support systems. Disciplinas como Geomarketing e Inteligência Geográfica na Tomada de Decisão farão parte da grade.
Este curso de Especialização destina-se a  profissionais com formação em nível superior que atuam na área de Administração de dados e Tecnologia da Informação com interesse em ciência de dados, podendo ser gerentes, especialistas e técnicos. O curso procura abordar problemas inerentes não somente ao contexto de Big Data, mas de dados em geral. Aborda também as tecnologias associadas a Big Data, mostrando para o que servem e diferenças em relação as empregadas em BI. Outro aspecto considerado importante, é cada vez mais dados de indivíduos são disponibilizados e facilmente obtidos na web, é preciso discutir aspectos éticos e legais do uso desses dados.

O curso visa proporcionar aos profissionais capacitação e atualização na área de gerência de grandes volumes de dados, amplamente conhecidos pelos termos Big Data e Data Science. Os conteúdos a serem abordados giram em torno de temas como análise de dados, processamento de grandes volumes de dados, visualização analítica, e computação em nuvem. Além do conhecimento teórico, os egressos do curso irão experimentar as principais ferramentas para lidar com os diversos temas das áreas de Big Data & Data Science.

Big Data e Data Science não são constituídas apenas do agrupamento de um conjunto de tecnologias, mas é a capacidade de conectar não apenas cientistas de dados e tecnólogos, mas profissionais de todas as áreas. Sem dúvida, uma das principais formas de fazer isso é usar métodos avançados de análise de dados e visualizações que não se limitam a mostrar dados, números ou mesmo gráficos, mas que façam todos esses elementos ganharem vida.

Post escrito por Eduardo Prange, CEO da Zeeng.

Presença Online – 10 pontos fundamentais para o sucesso da sua empresa no ambiente digital

Estar presente hoje no ambiente digital e construir uma presença online relevante é imprescindível para que as marcas sejam reconhecidas e encontradas por seus consumidores. Buscar por informações no ambiente digital já se tornou um caminho natural, um hábito das pessoas. Para que seu negócio esteja bem indexado nos mecanismos de busca é imprescindível ter uma boa estratégia de marketing digital.

A presença online das marcas transcende a construção de um web site, significa a soma de diferentes iniciativas de registros e participações da marca no ambiente digital. Esse processo de reconhecimento envolve sim, a criação de um web site, mas vai além, pois também leva em consideração, por exemplo o conteúdo desenvolvido em blog, as notícias veiculadas em portais relevantes e a participação em redes socais. São mais de 200 variáveis que impactam diretamente na relevância da presença online e consequente melhor indexação nos mecanismos de busca, eu elenquei 10 critérios que considero cruciais para esse processo 😀

Presença online, Web Analytics

01-Conteúdo único e de valor: Essa é a essência do SEO, produzir conteúdo de qualidade para o usuário. Pense menos nos robôs e mais no que as pessoas estão buscando e gostariam de ver no seu site. O Google valoriza isso!

02-Autoridade da página: PageRank foi o primeiro algoritmo criado por Larry Page há mais de 20 anos, baseado nos links que uma página recebe. Apesar da idade, ele ainda é usado, como o próprio Google afirma. Porém, muitos profissionais preferem o Page Authority, métrica da Moz que promete mais transparência, atualizações e precisão que o PageRank. Você pode conferir o seu na ferramenta Open Site Explorer, da Moz.

03-Autoridade do domínio: O posicionamento de uma página também é influenciado pela autoridade do seu domínio. Confira o seu Domain Authority também no Open Site Explorer.

04-TrustRank: Com saber se seu site é confiável? “Diga-me com quem andas…”. O Google determina o seu TrustRank baseado em seus relacionamentos, ou seja, em quantos links você recebe de sites de confiança.

05-Velocidade de carregamento: Esse é um dos fatores que o Google fez questão de anunciar: o tempo de carregamento dos sites influencia bastante na experiência do usuário e, consequentemente, no seu rankeamento.

06-Responsividade: Em abril de 2015, o Google anunciou que as páginas mobile-friendly ganhariam melhores posições nas buscas realizadas em dispositivos móveis.

07-Certificado SSL e HTTPS: O Google informou que sites seguros, que usam Certificado SSL e HTTPS, ganham prioridade. Ainda não se percebeu impacto disso no rankeamento, mas esse fator deve ganhar força.

08-Palavra-chave no título: O uso da palavra-chave é essencial na otimização, e o título é um dos fatores mais importantes do SEO On Page. Então, insira sua palavra-chave nele!

09-Usabilidade: Quanto mais você facilitar a vida do usuário dentro do seu site, melhor será sua experiência. Usabilidade impacta em tempo de permanência, visualizações de página e taxa de rejeição.

10-Arquitetura do site: Organização do conteúdo é essencial para usabilidade e ajuda o Google a entender suas páginas.

Vale ressaltar que ao todo são mais de 200 critérios e isso muda com uma certa frequência, porém acredito que os “TOP 10” estejam aqui pontuados 😀

Post escrito pela Isadora Longo, colaboradora do blog da Zeeng, Consultora de Startups e Mestre em Design Estratégico.