11 dicas para melhorar o engajamento nas redes sociais

O que praticamente todo mundo quer e precisa ao trabalhar com as marcas no mundo digital é ampliar o engajamento da comunicação com o público. O Social Media Today publicou nos últimos dias um infográfico básico, mas com dicas essenciais para melhorar o desempenho das publicações nas mídias sociais. O conteúdo está em inglês, mas os textos são de fácil compreensão, mesmo para quem não é avançado no idioma.

Entre os toques, estão:

  • Personalize suas postagens para cada plataforma.
  • Surpreenda as pessoas com fatos, estatísticas e tendências que ainda não conhecem.
  • Trabalhe com influenciadores das mídias sociais.
  • Forneça um apelo claro para cada ação.
  • Encontre o melhor momento para publicar.
  • Use vídeos ao vivo em suas postagens.
  • Participe de comunidades relevantes para sua indústria.
  • Peça comentários.

Confira o infográfico:

Fonte: AdNews

6º COLOCADO NO BRASILEIRÃO, FLAMENGO É CAMPEÃO NO AMBIENTE DIGITAL

Levantamento mostra que Corinthians, São Paulo e Palmeiras completam o G4 no ranking digital; Vitória, Avaí, Ponte Preta e Atlético – GO integram o Z4, em posição semelhante a do Campeonato Brasileiro de 2017

Pode comemorar torcedor Rubro-negro. O Flamengo é o grande campeão brasileiro de 2017 – ao menos no ambiente digital. É o que diz uma pesquisa realizada pela Zeeng Data Driven Platform, plataforma de Big Data Analytics voltada ao setor de Marketing e Comunicação, que tem como objetivo mostrar a relevância dos 20 clubes da Série A do Campeonato Brasileiro na internet.

O levantamento levou em conta todos os times da primeira divisão e fez uma análise das respectivas redes sociais (Facebook, Twitter, Instagram e YouTube) e também das citações na imprensa online. Além do clube carioca, os três paulistas – Corinthians, São Paulo e Palmeiras, completam o chamado G4 digital – grupo dos primeiros quatro colocados no campeonato nacional que dá direito à uma vaga na Copa Libertadores da América do ano seguinte. Já o Z4 da internet ficou bem parecido com o grupo dos times rebaixados para a segunda divisão da competição, com Vitória, Avaí, Ponte Preta e Atlético – GO. No Brasileirão dos gramados, além das equipes de Campinas e Goiânia, caíram também Coritiba e Avaí.

“Chama muito atenção o fato de, se isolarmos o Flamengo, que se destacou em diversos aspectos, e o São Paulo que surge como 3º colocado geral, mas fez uma campanha ruim, podemos notar muita semelhança com a tabela final do campeonato. Esses resultados podem evidenciar o quanto a presença digital pode influenciar no desempenho de uma equipe. Vale notar que clubes tiveram dificuldades na competição, como o Atlético – GO que foi rebaixado, tem o potencial de gerar grande engajamento, ainda que seja com reações negativas”, explica Eduardo Prange, CEO da Zeeng.

Paulistas e carioca estão entre os clubes com mais reações de amor

No Facebook, o Corinthians, campeão brasileiro de 2017, o Flamengo e o Palmeiras são as equipes que geraram mais reações de amor. No ranking geral, o Rubro-negro carioca e o Timão ganham a companhia do São Paulo no grupo dos times com maior número de fãs – 11.549.185, 11.467.152 e 6.793.029, respectivamente. Em paralelo a isso, o Flamengo também se destaca como um dos times que mais geram reações de raiva, seguido de Palmeiras e Santos.

Twitter e Instagram

O Corinthians também fez bonito no Twitter, liderando o ranking com 5.617.992 seguidores e garantindo o segundo lugar no Instagram com 2.079.626. O Flamengo surge como o maior time na rede de compartilhamento de fotos com 2.260.799 seguidores.

Chape faz bonito nas redes sociais

A grande surpresa do Brasileirão foi a Chapecoense – seja nos gramados ou em ambiente virtual. O clube catarinense que garantiu a participação na Libertadores de 2018, está há quatro anos fazendo boas campanhas na Série A e se envolveu no trágico acidente aéreo em novembro de 2016, ganhou a simpatia de fãs de todo o país. No Facebook, o Verdão da Condá conta 4.077.943 fãs, ocupando o posto de 5º clube com mais fãs. Já no Instagram, a Chape registou 1.144.801 seguidores.

Flamengo também lidera em notícias e inscritos no YouTube

Apesar da campanha mediana no Brasileirão, o Flamengo também obteve destaque na imprensa online e no YouTube com 25.189 notícias publicadas e 710.050 inscritos em seu canal na maior plataforma de vídeos do mundo.

Itaú é o Banco com o maior ativo Digital, segundo estudo da Zeeng e Today

Empresas lançam estudo que revela como as principais instituições financeiras se comportam no ambiente online

A Zeeng Data Driven Platform, plataforma de Big Data Analytics voltada ao setor de Marketing e Comunicação, em parceria com a Today, agência especializada em estratégia e criatividade para marcas, anunciam o lançamento do relatório “Análise do Mercado Financeiro no Ambiente Digital”, que tem o objetivo de mostrar o comportamento dos principais players do mercado financeiro na internet. O estudo, que mapeou 20 instituições do setor, revelou que o Itaú é o líder em volume de seguidores e em interações nas redes sociais, além de ser o banco particular melhor colocado no ranking.
Para chegar a essas conclusões, o relatório explorou as redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter e YouTube), e indicadores como volume de notícias, média de visitantes diários, tempo de visita, taxa de rejeição, percentual de visitas oriundas de mecanismos de busca e exibições dos websites.

“Acredito que ao fazer uma análise detalhada sobre a interação dos consumidores com marcas de instituições financeiras nas mídias sociais, nós colaboramos com os gestores de marcas no desafio de fazer um diagnóstico do atual momento e definir estratégias de marketing e comunicação para suas empresas”, comenta Eduardo Prange, CEO da Zeeng.

O estudo também mostrou que a Caixa Federal é o banco com melhor índice do Ranking Brasil, que índica a popularidade de um site, comparado a todos os sites de todas categorias no Brasil, e foi o segundo que mais apareceu em notícias, só atrás do BNDES com 3478. Nas redes sociais, por exemplo, a instituição ficou em 3º no volume de seguidores e em 5º na quantidade de interações. O Banco do Brasil, por sua vez, apresentou números ligeiramente abaixo da Caixa no ranking e no volume de notícias, com 2067. Já Bradesco e Santander aparecem como os bancos particulares com o maior volume de notícias. Nas redes sociais, as duas instituições ficam, respectivamente em 2º e 3º, só atrás do Itaú, que é o 1º colocado.

“É notável que mercado financeiro tem passado por muitas mudanças, graças à transformação digital dos negócios. Como hoje, os novos hábitos de consumo são uma das principais forças atuantes no mercado, é importante entender o que as instituições de um setor tão tradicional como o financeiro têm feito para engajar o seu público”, finaliza Adilson Batista, fundador e diretor de estratégia da Today.

Confira o Estudo na íntegra:

O estudo completo pode ser baixado aqui.

Sobre a Zeeng

A Zeeng é a primeira plataforma de Big Data Analytics do mercado brasileiro voltada ao setor de Marketing e Comunicação, com o objetivo de auxiliar e otimizar a tomada de decisão dos gestores do segmento. A Zeeng Data Driven Platform reúne dados provenientes de redes sociais, notícias e Web Analytics.

Sobre a Today
A Today é especialista em estratégia e criatividade para marcas. Foi fundada em 2013 por Adilson Batista, profissional que tem 23 anos no mercado digital e atuação em grandes empresas. Entre seus clientes estão a Mercedes-Benz, CVC, Carrefour Serviços Financeiros, AOC, Philips, Avis/Budget, PagSeguro, Café Orfeu, Marfrig, Sem Parar, 99Corp, PagSeguros e FreeCô.

Precisamos falar sobre números…

Uma coisa que me incomoda profundamente, mas profundamente mesmo, é o comparativo frio de números nas redes sociais. Quem tem mais seguidores, ganhou mais curtidas… Mas esses números realmente significam algo pro seu negócio? A razão de eles ocorrerem têm relação com o produto/serviço que você oferece ou, pelo menos, com o propósito da sua empresa?

Já falou-se bastante que não adianta acumular seguidores se eles não formam uma comunidade no entorno da sua marca, se eles não interagem com o que você posta. Mas a pergunta que me eu faço, vendo números de fora das empresas, é: o que a empresa ganha com esse likes?

Todo mês, a Zero Hora divulga o ranking da Torabit, no qual sua taxa de engajamento (considerando ações nos conteúdos publicados no Facebook, Instagram e Twitter) está em primeiro lugar num comparativo entre veículos de comunicação.


Fonte: www.torabit.com.br/portfolio-item/engajamento-dos-veiculos-brasileiros-nas-redes/

Quando eu li a matéria, a primeira coisa que eu observei foi o alto índice de engajamento da ZH no Instagram. E pensei “Bah, legal! Mas por que ele é tão alto em comparação a outros veículos, que provavelmente têm mais seguidores?”

Fui eu dar aquela espiadinha básica nos três perfis e realmente a questão do total de seguidores se confirmou: enquanto a ZH tem 256k, o Estadão tem 568k e a Exame tem 491k. Então, se não é o número de pessoas conectadas diretamente aos perfis que faz a diferença, tem que ser o conteúdo.

Os três prints foram feitos em sequência, no mesmo horário. E o que eu vi e me ajudou a entender um pouco do desempenho da Zero Hora é a relação forte que ela tem com seus seguidores. Dos 12 posts mais recentes, 9 são fotos dos leitores. Fotos lindas, por sinal, bem selecionadas a partir do uso da #doleitorzh.

Essa prática colabora com um maior engajamento por dois fatores. Primeiro, que a audiência curte <3 fotos esteticamente agradáveis em uma rede social de fotos. E, claro, porque com esses reposts, a ZH reforça a sua conexão com seus leitores, os gaúchos, além de dar visibilidade a pessoas em um momento que os likes de aceitação e reconhecimento são tidos como tão necessários.

A Exame também usa este expediente, publicando fotos dos seguidores, mas em menor quantidade. Enquanto isso, o Estadão foca sua comunicação nas notícias do dia, posicionamento que repete nas outras redes. Meus questionamentos que ficam, os quais me motivaram a fazer essa pequena análise, que pode sim ser vista como superficial (até porque eu a vejo dessa forma), são:

  1. Até que ponto esse conteúdo necessariamente não-informativo, por mais que facilmente aceito e consumível, é relevante para uma empresa que vende jornalismo, ou seja, informação?
  2. o que esse alto engajamento, puxado pelo conteúdo do Instagram, significa efetivamente para o trabalho de um veículo de comunicação?

Nada do que eu escrevo aqui é absoluto. São as minhas percepções, são pontos que eu sempre analiso a partir da exatidão inexata que os números nos oferecem. E pra quem tiver interesse, aqui tem mais informações.

Post escrito por Poli Lopes, jornalista, social media e doutoranda em Processos e Manifestações Culturais (Universidade Feevale).

 

E-book Tendências em digital e social media para 2017

O pessoal do QSSM convidou alguns profissionais e estudiosos do mercado de digital e social media, dentre eles o nosso CEO Eduardo Prange, para compartilharem as suas apostas sobre o que será tendência nestas áreas em 2017.

O principal objetivo deste material não é apresentar previsões e sim mostrar as percepções daqueles que vivenciam e contribuem diariamente com este mercado que vem amadurecendo e se consolidando no Brasil.

Já demos grandes passos, temos grandes cases, mas diante da volatilidade, complexidade e velocidade da área de digital e social media não podemos nos acomodar. Temos grandes desafios pela frente!

Confira os principais temas destacados pelos convidados e baixe o material gratuitamente.