O uso estratégico de Big Data para a aquisição de clientes nas agências de comunicação

A importância de uma boa plataforma para proporcionar a melhor experiência para o seu cliente desde a contratação

No universo das agências e dos gestores de comunicação e marketing, encontrar as melhores formas para as empresas se comunicarem com o público sempre foi o ponto central. O que a revolução digital fez foi acrescentar a esse core novas maneiras e ferramentas de atuação e gestão para atender à demanda crescente por fundamentação e métricas para as ações propostas. Foi-se o tempo da “genialidade pura” e do “feeling” para criar e propor ações de massa para públicos mais ou menos genéricos. Para ser relevante e efetivo hoje, é preciso conhecer o público, entender bem suas necessidades e então pensar na experiência a ser proporcionada a este público.

Afinal, de que adianta gastar muito para aparecer no horário nobre da TV, nas páginas mais caras das revistas ou impulsionar dezenas de posts em redes sociais se você não sabe muito bem com que público falar, como falar, onde falar e, principalmente, o que e quando falar? Nestes tempos digitais, há grande diversidade de canais, e as marcas devem estar em todos eles – como seus clientes estão – com a mensagem certa, no tom correto, na hora exata.  Em tempos de Big Data, o uso inteligente deste grande volume de dados, com coleta eficiente e análises precisas, é fundamental para embasar qualquer plano de atuação.

Assim, com o imenso volume de informações que geramos e temos à disposição e a necessidade de analisá-las de forma rápida, objetiva e concreta, surgem diversas soluções voltadas a extrair o valor real dessa massa de dados e transformá-la em conhecimento útil para embasar ações e iniciativas guiadas por dados para as marcas. Este uso estratégico do Big Data é importante já na hora de conquistar um cliente – seja prospectando uma determinada empresa/marca, seja atendendo a uma chamada específica -, pois você tem que estar preparado para a disputa com outros fornecedores.

A prospecção e mesmo a formatação de uma proposta são trabalhos caros e que levam tempo – é preciso que profissionais qualificados estudem muito bem o cliente e/ou sua demanda, entendam o que acontece no entorno deste cliente e quais são os seus problemas, para poder então formatar um plano de atuação/proposta voltado ao atendimento daquilo que ele precisa.

Neste momento, o uso de uma plataforma que contemple todas as necessidades de comunicação pode se mostrar decisivo ao municiar sua agência com informações mais qualificadas e insights realmente relevantes. Mas faltava no mercado uma boa plataforma usando Web Analytics, Clipping e Social Brand Behavior, reunindo o conhecimento qualificado que você precisa em um mesmo lugar, com fácil visualização, acesso e entendimento. E foi  com o objetivo de ocupar esse espaço que criamos a Zeeng, a primeira plataforma de Big Data Analytics voltada para as áreas de marketing e comunicação do mercado nacional. É uma solução pioneira com essa proposta e uma visão inovadora no modo com que se propõe a resolver os problemas.

Muito mais em uma só plataforma

Estamos falando de uma plataforma que  traz basicamente os conceitos do Big Data – volume de dados, muita velocidade, veracidade, valor e variedade  – mas que é focada em trabalhar como um gerador de insights, um empoderador para os profissionais de comunicação e marketing. Seu benefício imediato é acabar com essa multiplicidade de ferramentas e abas abertas no navegador, contemplando o que sua agência precisa em um só lugar.

Em termos de web analytics, a ferramenta permite que se entenda o comportamento de acessos de qualquer website – e o grande valor, aqui, é que você consegue perceber o que acontece dentro do site do cliente mas também no dos concorrentes, como as palavras que as pessoas estão buscando para chegar até eles. Com isso, em uma reunião de apresentação para um provável futuro cliente, por exemplo, você terá um tom de autoridade muito maior, explicando por que os concorrentes dele recebem mais acessos ao blog, quais links externos mais atraem tráfego para os canais deles e oferecendo ideias mais concretas de atuação, além de insights significativos para o negócio deste futuro cliente. Assim também o trabalho de prospecção se torna mais rico e criativo com as informações que a plataforma permite captar.

Nossa plataforma também oferece uma segunda vertente, a de trabalhar com notícias, numa espécie de clipping que objetiva capturar dados relacionados às empresas/marcas que estão sendo monitoradas. Ao perceber algum pico, verificamos se a conotação é negativa para antecipar a reação a uma possível crise, por exemplo. Também conseguimos medir a relevância dos veículos e acompanhar o pico noticioso dos concorrentes. Com isso, podemos entender melhor a estratégia de marca desta concorrência, já que muito dessa postura pode ser visualizada por meio das notícias sobre determinada marca ou empresa.

Um terceiro ponto diferencial na plataforma é a análise de comportamento das marcas (Social Brand Behavior) em seus canais oficiais (Facebook, Instagram, Twitter e YouTube). É um trabalho de análise e otimização da presença e do desempenho dessas empresas – e de suas concorrentes  – nas mídias sociais, feito dentro dos canais oficiais das marcas. Como o meu concorrente X gera mais engajamento no Facebook? Qual é a frequência de postagens das marcas? A estratégia é orgânica, paga ou híbrida? Como definir um share of voice para cada uma das redes? Quais os horários de melhor acesso? Essas e (muitas) outras informações são facilmente obtidas e claramente visualizadas nos dashboards da plataforma.

Vale destacar, ainda, que a Zeeng trabalha com captura de dados de diferentes bases públicas e redes sociais, sem necessidade de login dos usuários. Ao consolidar todos esses dados em uma única plataforma, passa-se a trabalhar com informação direta, em vez de dados a burilar. E o que vai diferenciar sua empresa das demais, então, será a capacidade de executar ações a partir das informações que a plataforma entrega.

Então, sua agência pode utilizar as funcionalidades da plataforma para conquistar um cliente e ele, depois, quer continuar a receber as informações tão ricas que lhe foram mostradas na apresentação. E assim, além de empoderar a tomada de decisão por meio de um trabalho de inteligência com informações estratégicas, a plataforma da Zeeng revela-se, também, uma grande aliada na aquisição de clientes. Quer saber mais ou testar a plataforma? Acesse www.zeeng.com.br

Zeeng entre as AS 100 STARTUPS BRASILEIRAS PARA FICAR DE OLHO

Com mais de 1,3 mil inscritos, ranking 100 Startups to Watch aponta as empresas mais atrativas para investidores, aceleradoras e programas de corporate venture.

O impacto gerado pelas startups brasileiras pode ser observado em todos os setores e regiões do país — dos sistemas de gestão para lavouras familiares às plataformas de análise de dados para grandes indústrias, passando pelos softwares que estão transformando as áreas de educação e saúde. Em meio à efervescência desse cenário,o ranking 100 Startups to Watch surge como o mais novo e preciso radar para orientar investidores, aceleradoras e programas de corporate venture.

Resultado de uma parceria entre as marcas Pequenas Empresas & Grandes Negócios Época NEGÓCIOS, da Editora Globo, e a Corp.vc, braço de corporate venture da consultoria EloGroup, o 100 STW foi produzido a partir de uma metodologia que demandou mais de cinco meses de coleta e análise de dados.

As informações relativas a inovação, mercado e escalabilidade das empresas foram analisadas por mais de 40 especialistas. Ao combinar abordagens quantitativas e qualitativas,conseguimos apresentar um panorama completo do setor. Com mais de 1,3 mil inscrições, o ranking traz ainda um levantamento inédito do ecossistema de tecnologia e inovação do país,incluindo perfil dos fundadores,rodadas de investimentos e volume de faturamento das startups brasileiras.

Mais do que apresentar uma fotografia estática, a pesquisa tem como objetivo formar uma base de dados que ajude a entender e estudar a comunidade de negócios de tecnologia no país. É uma iniciativainédita, que passará a ser realizada anualmente.

A lista completa, os perfis das empresas e os resultados da pesquisa podem ser lidos na revista da edição deste mês de abril que já está nas bancas e na edição digital de PEGN no Globo+. 

Conheça abaixo as startups selecionadas.

AGRONEGÓCIO
AgroTools
Alluagro
Grão Direto
Horus Aeronaves
Tau Flow
Tbit

EDUCAÇÃO
12 minutos
Agenda Edu
Dentro da História
Eadbox
Estante Mágica
Me Salva!
Quero Educação

FINANÇAS
Asaas
Celcoin
GuiaBolso
Monetus
Monkey Exchange
Nexoos
Rapidoo
Rebel
Verti

GESTÃO
Agendor
Arquivei
Contabilizei
Eficiência Fiscal
Espresso
Gupy
Owl Docs
Pin People
Rocket.Chat

IMPACTO
BChem
Biosolvit
Delfos
Hand Talk
MGov Brasil
Pop Recarga
QueroQuitar
Scipopulis
Stattus4
Sumá
Vixsystem
Zeg Environmental

INDÚSTRIA
Biomassa do Brasil
BirminD
I.Systems
TNS Nanotecnologia

LAZER E TURISMO
ClickBus
MaxMilhas
Netshow.me
Poppin

LOGÍSTICA
Bynd
Cobli
Logstore
Melhor Envio
Send4
Truckpad

MARKETING
Contentools
Decision6
Exact Sales
Forebrain
Meus Pedidos
MindMiners
Ramper
SenseData
Social Miner
Squid
Tracksale
Trakto
Zeeng

MODA E BELEZA
Beauty Date

REALIDADE VIRTUAL
Imersys

SAÚDE E BEM-ESTAR
Braincare
Carenet Longevity
Cíngulo
ePHealth
Fix It
Hi Technologies
Labi Exames
Liv Up
Oncotag
Pickcells
Portal Telemedicina
Tismoo

SERVIÇOS
DogHero
Flapper
Full Face
GetNinjas
IDwall
Instacarro
Justto
Nuper
Omnize
OriginalMy
Teravoz

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
Back4app
Cognitivo.ai
Eunerd
Pluga
TotalVoice

Fonte: Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Zeeng – Real Time Dashboard

É com MUITO orgulho que anunciamos o desenvolvimento do nosso módulo de gestão à vista para os nossos clientes, contemplando uma visão “Real Time” de indicadores chave para o sucesso das marcas no ambiente digital.

O que é gestão à vista?

A gestão à vista consiste em colocar as informações que têm relevância à disposição de seus gestores e colaboradores, favorecendo a tomada de decisões com base em dados atualizados e totalmente confiáveis, o que minimiza problemas e possíveis prejuízos oriundos da desinformação.

É muito importante, para que se entenda realmente o que é gestão à vista, que se note a necessidade de colocar apenas informações relevantes para cada setor, pois um volume de informações em excesso fará com que os colaboradores percam o interesse em acompanhar o quadro e isso não é o que queremos.

Outro fator muito importante é a definição dos indicadores a serem utilizados e como serão identificados, a fim de se facilitar a visualização das informações de forma rápida e eficaz.

Como funciona?

O nosso cliente define qual o volume de marcas que deseja visualizar de maneira consolidada em seus dashboards, a frequência de atualização e período a ser visualizado.

A seguir estão descritos os módulos disponíveis no Zeeng – Dashboard Real Time:

Share of Voice

Esta perspectiva aborda o que a marca fala para o público no ambiente das mídias sociais; traz a quantificação do volume de posts promovidos pela empresa e marcas competidoras, no intuito de indicar a participação de cada player no universo comunicacional dirigido ao consumidor.

Os dados serão apresentados igualmente em formato visual, permitindo rápida identificação do share of voice do mercado de atuação da empresa.

Tag Cloud

Esta perspectiva oferece uma visão sobre os principais termos associados à marca nos conteúdos postados pelo público, através da apresentação visual de uma tag cloud, em que o tamanho do termo apresentado representa a quantidade de vezes em que é mencionado junto à cada uma das marcas de interesse do cliente.

SOCIAL ENGAGEMENT

Apresentação comparativa do engajamento da empresa x competidores nas redes sociais (Facebook, Twitter, Instagram e Youtube), com apresentação dinâmica dos posts de maior destaque por canal.

Ficou interessado?

Para maiores informações sobre o módulo Zeeng – Real Time Dashboard entre em contato com o nosso líder em Customer Success, Marcelo Barros, através do e-mail: marcelo.barros@zeeng.com.br 😀

4 Passos para Implantar uma Cultura de Dados na sua Empresa

Não é novidade para ninguém que hoje os dados são o bem mais valioso de qualquer empresa. No entanto, apesar de muitas empresas já reconhecerem hoje a importância dos dados, poucas são as que efetivamente se baseiam em informações concretas para tocar o seu dia-a-dia. A prática predominante no Brasil (e na maioria dos países latinos) é da tomada de decisões baseada na experiência prévia, com deferência ao conhecimento acumulado de profissionais mais sêniores.

Por mais valiosa que seja a experiência (e ela nunca pode ser desprezada), o volume de informações que está disponível hoje tem o potencial de mudar completamente a forma como decisões são tomadas e análises são feitas. Para isso, no entanto, é fundamental ser criada dentro das companhias uma cultura de dados, ou seja, uma cultura que privilegia e valoriza decisões embasadas em dados concretos, fruto de um processo estruturado de construção de hipóteses, teste dessas hipóteses, e validação de sua aplicabilidade de forma concreta e irrefutável.

 No post de hoje, vamos explorar quatro pontos fundamentais para você começar a implementar uma cultura de dados dentro da sua empresa. Confira abaixo.

 Qualidade dos dados

 Esse é o item principal para quem quer estabelecer uma cultura de dados. A qualidade da fonte de informação é a matéria prima de todo o processo. E aqui você tem dois caminhos: construir sua própria base de dados, e desenvolver ferramentas para administrá-la e transformar esses dados em informação, ou então contratar uma empresa especializada que já vai fornecer essas informações prontas e prestar todo o suporte, quando necessário. Assim como tudo na vida, cada uma dessas alternativas tem vantagens e desvantagens. O que você deve considerar para determinar a melhor opção para o seu negócio é o tamanho da sua empresa, a estrutura que você tem e o quanto está disposto a investir.

 Sistemas e processos de mensuração

 No momento em que você começa a usar dados no seu negócio, é preciso acompanhar com muita atenção os indicadores obtidos a partir de então. Ao utilizar essas novas informações em busca de melhores resultados, você deve desenvolver sistemas e processos capazes de medir todas as etapas e variáveis de estão envolvidas, de forma a aferir o quanto o seu negócio está reagindo a elas, e de que forma.

 Engajamento da equipe

 Uma empresa não é feita de um homem só, nem apenas de um seleto grupo de gestores. Para uma empresa fluir com o máximo de produtividade, é necessário que todos os colaboradores estejam envolvidos no processo e alinhados em um mesmo propósito. Se você acredita que adotar a cultura de dados é a melhor decisão para o seu negócio, precisa comunicar primeiro a quem trabalha lado a lado com você. É provável que esse seja o momento em que a expressão “cultura de dados” seja aplicada no seu sentido mais literal. Então, para engajar a sua equipe, comunique (e cobre!) que todas as decisões, propostas e relatórios apresentados sejam baseados em dados. E lembre-se, o exemplo vem sempre de cima.

 Esteja preparado para experimentar e errar!

 Essa talvez seja a lição mais valiosa de todas. Você pode estar pensando que o uso de dados no seu negócio vai resolver todos os problemas, disparar as vendas e elevar o lucro à estratosfera, tudo isso imediatamente. Se você estiver com essa expectativa e ela não se realizar, bom, é natural que você se sinta frustrado. Então, em primeiro lugar você deve estar preparado para não atingir os resultados que você espera na velocidade que deseja. No início, o uso de dados pode ser meio que guiado pela boa e velha tentativa-e-erro. Não se preocupe, isso é normal. E toda vez que der errado e você se frustrar, tenha em mente que essa já é uma resposta valiosa, e quer dizer que você está um passo mais próximo do caminho certo.

 A cultura de dados, ou cultura de decisões baseadas em dados, tem se mostrado cada vez mais um diferencial competitivo para empresas no mais diferentes setores e segmentos do mercado, e quem não está trilhando esse caminho corre um sério risco de ficar para trás. Portanto, adote os passos que mencionamos e se prepare para experimentar uma grande transformação no seu dia-a-dia de trabalho.

Fonte: Big Data Corp

Notícias sobre Lula aumentam 241% no mês do julgamento do TRF4

Levantamento compara o volume de conteúdo sobre o ex-presidente entre agosto de 2017 e janeiro de 2018 em sites brasileiros

Um levantamento obtido com exclusividade por VEJA mostra que o número de notícias sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva cresceu 241% entre agosto de 2017 e janeiro de 2018, mês em que Lula foi julgado e condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre. Em agosto de 2017, foram publicadas 6.927 notícias sobre o petista enquanto em janeiro de 2018 foram 23.619 notícias.

O levantamento foi realizado pelas empresas gaúchas Zeeng, que trabalha com análise de big data, e Essent Jus, que atua na prestação de contas para políticos. O levantamento considerou os cinco mil sites brasileiros mais acessados. “Temos acesso a 200.000 portais, mas a gente restringe a busca pelo critério de relevância e número de acessos, por isso os dados ficam restritos aos cinco mil sites mais acessados”, explicou à reportagem Eduardo Prange, CEO da Zeeng.

Entre dezembro de 2017, quando o ex-presidente já estava em evidência por causa do julgamento, o número de notícias foi de 11.690, um crescimento de 102% em relação ao mês de janeiro.

O levantamento também analisou o perfil de Lula no Facebook. O maior número de interações ocorreu na véspera do julgamento, dia 23 de janeiro, em uma postagem com 56.900 comentários. No dia seguinte, a postagem com o discurso na Praça da República, em São Paulo, teve 17.000 compartilhamentos.

Já na página oficial do político no Facebook, o volume de interações de maior destaque foi para as postagens que o ex-presidente compartilhou no dia 23, um dia antes do julgamento, com 56.900 comentários, e no dia 24, após o julgamento em discurso realizado na Praça da República, com 17 mil compartilhamentos. No Twitter, a postagem após a condenação teve 3.900 compartilhamentos.

“O grande engajamento é por parte de sua militância, das pessoas que são a favor a ele. Os movimentos contra o ex-presidente não aconteceram dentro dos seus canais, mas em outros canais ou pessoas espontaneamente falando”, explicou Prange sobre as reses sociais.

Se fosse uma batalha entre adversários por engajamento on-line, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) seria o vencedor. A postagem em que ele aparece ao lado de uma televisão acompanhando o voto do relator do recurso de Lula, o desembargador João Pedro Gebran Neto, teve 47.000 compartilhamentos, mais que o dobro dos compartilhamentos do discurso de Lula.

Fonte: VEJA

Big data: como tornar as estratégias de marketing mais assertivas?

Conjuntos de dados grandes e complexos perdem seu potencial se gerenciados apenas por meio de processos tradicionais

O big data, termo popular nos últimos anos, descreve um grande volume de dados armazenados na internet. A quantidade desses dados no mundo tem dobrado a cada dois anos e atingirá 40 trilhões de gigabytes em 2020, de acordo com estatísticas do Gartner e IDC – Instituto de Inteligência de Mercado.

Entretanto, essa tecnologia ainda não é comum aos tomadores de decisão, que não entendem ao certo o que podem fazer com todas as informações obtidas por meio do Big Data Analytics. Um estudo feito pela The Economist Intelligence Unit revela que 35% dos executivos acreditam que o grande obstáculo para empregar esses dados é a falta de conhecimento de como utilizá-los em seus setores.

O grande X dessa questão está aí. Não na quantidade de dados oferecidos, mas no que as empresas têm feito com essas informações. Conjuntos de dados grandes e complexos perdem seu potencial se gerenciados apenas por meio de processos tradicionais. Análises estratégicas geram valor para seus negócios e serão um importante diferencial competitivo nos próximos anos.

Quando usados de forma correta, os dados possuem potencial para extrair insights, reduzir custos de operações, desenvolver novos produto, criar ofertas otimizadas, entre muitas outras vantagens. Falar com o público-alvo da sua empresa nunca foi tão complexo e ao mesmo tempo tão assertivo. Consumidores omnichannel, cada vez mais conectados, espalham ricas informações por onde se conectam. O que podemos fazer com tudo isso? A tecnologia big data e as novas formas de processamento oferecem infinitas possibilidades de se aproximar, comunicar e cativar a atenção seu cliente, viabilizando a otimização das experiências que ele tem com a sua marca.

Um dos recursos utilizados atualmente pelas agências de comunicação é o data driven marketing. Termo que se refere ao uso dos dados para análise e tomada de decisão empresarial. Ele permite que o marketing fale exatamente o que o consumidor deseja ouvir ou ler. Com esses dados, a empresa pode se antecipar e fazer projeções de acordo com o comportamento do cliente agora e no futuro, desenvolvendo estratégias objetivas.

Um bom exemplo sobre o uso de big data a favor das melhorias da comunicação entre empresa e consumidor é a rede de franquias McDonald’s. Eles usam os dados não estruturados, como fotos, localização, gênero, faixa etária e assuntos mais discutidos do momento em redes sociais, para o trabalho de brainstorm. Parecem informações “básicas”, mas, quando bem analisadas, auxiliam na criação de campanhas assertivas, que estimulam a conversão de prospects em novos clientes e fidelizam o seu atual consumidor.

Por fim, declaro: não existe mais a possibilidade de as empresas não unirem o marketing off-line ao online. É preciso convergir e integrar. Use a tecnologia a favor do seu negócio.

Fonte: Proxxima

Zeeng é destaque na Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios

100 ideias de futuro para montar o seu negócio em 2018

A Zeeng foi destaque na edição da Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios na matéria de capa sobre as startups que vêm se destacando em meio à revolução digital que dominou todas as áreas da economia.

A reportagem sobre as 100 ideias de futuro para montar o seu negócio em 2018 apresenta ferramentas como algoritmos de inteligência artificial, plataformas de realidade virtual e dispositivos de internet das coisas que já estão disponíveis para empresas de qualquer tamanho ou setor.

Fonte: Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Zeeng Drops – #04 – Entrevista Domingos Secco Junior

Confira no Zeeng Drops de hoje a nossa entrevista com Domingos Secco Junior, sócio da Alright Media Technology Hub. Desde 1999 faz pesquisa, criação e planejamento no meio digital. Trabalhou nas agências AG2, Cubocc e LiveAd nas áreas de atendimento, mídia e business intelligence, atendendo clientes como Unilever, Diageo, Pepsico, Lojas Renner e Vivo. Como empreendedor atua com design, inovação e modelagem de negócios digitais. É co-criador dos projetos de empoderamento social PortoAlegre.cc e Redenção.cc. Palestrou no Proxxima 2017, onde apresentou sua visão sobre mídia programática.


Zeeng Drops é o nosso programa quinzenal com conteúdo exclusivo: entrevistas, curadoria de eventos, bate papos, entre outras iniciativas que visam fomentar o mercado de marketing e comunicação através da ciência de dados.

Quem você gostaria de ver em uma edição futura do Zeeng Drops?

Deixe nos comentários o nome ou link do profile no Linkedin de profissionais que vocês gostariam de contar com uma entrevista da Zeeng para as próximas edições do #ZeengDrops 😀

Itaú é o Banco com o maior ativo Digital, segundo estudo da Zeeng e Today

Empresas lançam estudo que revela como as principais instituições financeiras se comportam no ambiente online

A Zeeng Data Driven Platform, plataforma de Big Data Analytics voltada ao setor de Marketing e Comunicação, em parceria com a Today, agência especializada em estratégia e criatividade para marcas, anunciam o lançamento do relatório “Análise do Mercado Financeiro no Ambiente Digital”, que tem o objetivo de mostrar o comportamento dos principais players do mercado financeiro na internet. O estudo, que mapeou 20 instituições do setor, revelou que o Itaú é o líder em volume de seguidores e em interações nas redes sociais, além de ser o banco particular melhor colocado no ranking.
Para chegar a essas conclusões, o relatório explorou as redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter e YouTube), e indicadores como volume de notícias, média de visitantes diários, tempo de visita, taxa de rejeição, percentual de visitas oriundas de mecanismos de busca e exibições dos websites.

“Acredito que ao fazer uma análise detalhada sobre a interação dos consumidores com marcas de instituições financeiras nas mídias sociais, nós colaboramos com os gestores de marcas no desafio de fazer um diagnóstico do atual momento e definir estratégias de marketing e comunicação para suas empresas”, comenta Eduardo Prange, CEO da Zeeng.

O estudo também mostrou que a Caixa Federal é o banco com melhor índice do Ranking Brasil, que índica a popularidade de um site, comparado a todos os sites de todas categorias no Brasil, e foi o segundo que mais apareceu em notícias, só atrás do BNDES com 3478. Nas redes sociais, por exemplo, a instituição ficou em 3º no volume de seguidores e em 5º na quantidade de interações. O Banco do Brasil, por sua vez, apresentou números ligeiramente abaixo da Caixa no ranking e no volume de notícias, com 2067. Já Bradesco e Santander aparecem como os bancos particulares com o maior volume de notícias. Nas redes sociais, as duas instituições ficam, respectivamente em 2º e 3º, só atrás do Itaú, que é o 1º colocado.

“É notável que mercado financeiro tem passado por muitas mudanças, graças à transformação digital dos negócios. Como hoje, os novos hábitos de consumo são uma das principais forças atuantes no mercado, é importante entender o que as instituições de um setor tão tradicional como o financeiro têm feito para engajar o seu público”, finaliza Adilson Batista, fundador e diretor de estratégia da Today.

Confira o Estudo na íntegra:

O estudo completo pode ser baixado aqui.

Sobre a Zeeng

A Zeeng é a primeira plataforma de Big Data Analytics do mercado brasileiro voltada ao setor de Marketing e Comunicação, com o objetivo de auxiliar e otimizar a tomada de decisão dos gestores do segmento. A Zeeng Data Driven Platform reúne dados provenientes de redes sociais, notícias e Web Analytics.

Sobre a Today
A Today é especialista em estratégia e criatividade para marcas. Foi fundada em 2013 por Adilson Batista, profissional que tem 23 anos no mercado digital e atuação em grandes empresas. Entre seus clientes estão a Mercedes-Benz, CVC, Carrefour Serviços Financeiros, AOC, Philips, Avis/Budget, PagSeguro, Café Orfeu, Marfrig, Sem Parar, 99Corp, PagSeguros e FreeCô.

A Zeeng e o Abaixo as concorrências não remuneradas!

Pegando um gancho no excelente post do Pyr Marcondes, Diretor-geral da M&M Consulting, que você confere na íntegra abaixo, faço apenas um adendo: um dos motivos pelo qual a Zeeng existe é justamente para apoiar as agências no processo de aquisição de clientes. Processo este que além de caro e moroso, envolve um volume grande de players competindo para obter-se somente um vencedor. Se é que este já não era uma carta marcada!

Temos conseguido apoiar dezenas de agências no processo de aquisição de clientes, de maneira ágil e consistente, onde nossos parceiros conseguem muito rapidamente extrair um raio-x da “empresa contratante” x seus principais competidores no ambiente digital e assim se fortalecerem com insumos informacionais em tempo real.

Para quem quiser conhecer a Plataforma, sem nenhum compromisso, fica o nosso convite, pois não apenas apoiamos o “Abaixo as concorrências não remuneradas” como prezamos pela evolução deste mercado em transformação.

Abaixo as concorrências não remuneradas!

A não ser que sejam pagas, concorrências de agências de propaganda feitas por anunciantes são uma excrescência que todo o mercado, inclusive e principalmente os anunciantes, deveria lutar em conjunto para banir.

Se não, vejamos.

Um anunciante convoca agências do mercado, passa para elas um briefing (às vezes, nem isso), solicita propostas de planejamento, mídia e criação de graça, compara entre elas e escolhe a que mais lhe agrade.

Algumas vezes esse processo todo não passa de uma farsa para amealhar algumas boas novas ideias e continuar com a agência de sempre.

Se você perguntar para os anunciantes, a esmagadora maioria vai defender esse como um processo legítimo e uma prática de mercado consagrada. Vai dizer ainda que participa quem quer e que, portanto, as agências que se submetem estão topando as regras desse jogo.

Tudo verdade.

Entre a maioria dos parlamentares brasileiros e as empreiteiras do País, a propina também tem sido, durante décadas, encarada como uma prática disseminada aceita pelo mercado.

Você leitor, pessoa inteligente, já fez a comparação na sua cabeça.

Ética não é uma questão de consenso sobre práticas, é uma questão de vergonha na cara.

Tenho, como consumidor, uma sugestão de nova prática de mercado a sugerir aos anunciantes. Quero, a partir de agora, poder provar, sem pagar, vários produtos concorrentes. Degustá-los à pândega, e depois escolher o que mais gostei, levar pra casa uns magotes, a la grande, gratuitos, pra família. No peito, na faxa.

Que tal, hein? Fechado?

Pois essa é a ótica do anunciante. Uma ótica sem ética.

Falta de ética não decorre da carência de leis, mas da pura e simples má fé.

Pelo fim das concorrências não remuneradas já! E denúncia pública dos anunciantes que insistirem.

Introdução: escrita por Eduardo Prange, CEO da Zeeng.

Fonte: Proxxima